Masou Gakuen HxH | Vol 4 - Cap 1 (Parte 2)

 


HxH Vol 4 - Capítulo 1 (Parte 2) - Vatlantis

Capítulo 1 (Parte 2) - Vatlantis

Parte 2

O céu da UA, na alta altitude acima do Império de Vatlantis, um gigantesco navio de guerra se movia. Com sua forma estreita e aerodinâmica que cortava o céu azul, transmitia a impressão de elegância e delicadeza, mesmo sendo uma ferramenta de guerra. E então seu casco vermelho que fazia aqueles que a viam se assombrarem. Aquela cor vermelha era a prova de que este navio era da frota da guarda imperial.
Seu tamanho total ultrapassava quinhentos metros, mas quase nenhum sinal de pessoas podia ser visto em seu casco ou dentro dele. O navio de guerra também era uma arma mágica gigantesca, movia-se seguindo a ordem do proprietário e movia-se automaticamente. Não havia necessidade de tripulação para mover o navio. O que era necessário era apenas um único comandante que dava ordens.
Havia a figura da pessoa entregando ordens para este navio de guerra na ponte do navio. Essa pessoa estava usando um manto longo que era incompatível com o corpo pequeno enquanto estava altivo. Ela era um membro da guarda imperial, Ragrus.
O interior da ponte era como uma sala de estar de uma mansão de classe alta, realmente não podia ser visto como o interior de um navio militar. Toda a superfície da parede da ponte em 360 ° foi transformada em janela, tornando a sala realmente brilhante, a pele gigantesca de um animal desconhecido estava espalhada sobre o piso de mármore. E então foi combinado com a mesa de pedra com pernas douradas e um sofá que parecia confortável para se sentar. Em cima da mesa, frutas e garrafas cheias de álcool e suco estavam alinhadas, e as flores estavam espalhadas por toda parte no chão da ponte.
No local um degrau mais alto naquela ponte, foi colocado um grande sofá de couro para o comandante sentar. Ragrus estava parada na frente dela e olhou para a hóspede que estava embarcando em Okinawa.
“Como está, este meu navio! Ganhei pessoalmente pela capitã da guarda imperial, você sabe?"
A fêmea de cabelos pretos que estava sentada perto da janela que dava para a direção que o navio estava se movendo virou a cabeça para trás.
"Sim. Estou muito grata por ter sido trazida para este maravilhoso navio Ragrus-sama. ”
Olhando para Nayuta que reverentemente inclinou a cabeça, Ragrus sorriu orgulhosamente.
“Isso não está certo, não está certo! Você realmente entende bem mesmo sendo uma pessoa de Lemúria. Se você tem uma atitude tão modesta, é bom estar aqui. Mas, se você disser algo impertinente, trancarei você na cela como Gravel e Aldea, só para você saber! Valdy, você também relaxe como quiser.
"Sim, sim...... obrigada."
Valdy, que estava ao lado de Nayuta, virou-se para Ragrus e inclinou a cabeça levemente.
Nayuta estava apreciando a paisagem da janela com profundo interesse. Olhando para sua aparência, Valdy falou com Nayuta um pouco timidamente.
"Nayuta-sama, você tem poucas chances de sair do palácio, então...... é incomum?"
"Sim. Esta é uma experiência extremamente preciosa. Só ouvi a história, não tive a chance de olhar para fora do palácio com meus próprios olhos.
Era o cenário dos subúrbios de Vatlantis que ela geralmente não podia testemunhar. A paisagem rural verde estava se espalhando até onde os olhos podiam ver. A suave área montanhosa continuava, estendendo-se para as montanhas com picos cobertos de neve à distância, desenhando a bela paisagem de uma área montanhosa.
Havia também uma floresta densa no meio de vastas pastagens, fazendo entender que a terra era abençoada com natureza abundante. E então, havia cidades aqui e ali. Essas cidades não eram algo enorme, pequenas cidades foram desenvolvidas a uma distância fixa uma da outra.
De relance, parecia uma fila de edifícios em estilo vitoriano que se assemelhavam à paisagem urbana da Europa. Os prédios foram todos construídos em pedra, pináculo esplêndido e prédio luxuoso e tudo mais, tudo foi projetado para se dedicar à delicadeza e com ornamentos decorados. Fez-se imaginar a excelente tecnologia e cultura que possuíam, dos ricos meios de subsistência que as pessoas deveriam ter.
No entanto, independentemente de cidades tão esplêndidas, não havia figura na cidade sob seus olhos.
"Não há pessoas morando naquela cidade?"
Nayuta perguntou a Valdy.
"Sim...... as cidades por aqui, são todas...... abandonadas."
Logo elas puderam ver outra cidade diferente. No entanto, esta cidade também estava deserta, elas não podiam ver um sinal de que as pessoas estavam morando aqui. A porta, janela e assim por diante foram deixadas abertas.
"As pessoas estão se reunindo na capital, além disso, é natural se a população está diminuindo, não é?"
Ela respondeu que sim, mas em seu coração ela não achava que isso fosse algo natural. Com base na investigação de Nayuta, a taxa de redução da população deste mundo foi anormal. Nestes dez anos, a população estava diminuindo em dez por cento. Houve guerra, mas ela não podia acreditar que era a causa. Houve também o caso do Conflito contra o outro Universo, mas foi uma guerra em que elas usaram principalmente armas mágicas não tripuladas, quase não houve danos humanos por causa disso.
E então a população total também era pequena. O tamanho da terra de Vatlantis era praticamente o mesmo da terra, mas sua população não passava de um milésimo da terra. No entanto, pelo que ela viu no número de cidades que se tornaram cidades fantasmas, supunha-se que havia um grande número de pessoas antes disso. Ela adivinhou que algo aconteceu, e a população caiu acentuadamente.
No momento, a maioria das pessoas vivia concentrada na capital Zeltis e em poucas cidades provinciais. No entanto, mesmo esse capital estava sendo abordado pelo perigo.
"Ah! Podemos ver agora, a capital Zeltis!"
A voz de Ragrus ficou excitada. Como convidada por essa voz, Nayuta olhou bem à frente do navio.
O que foi visível primeiro foi a linha preta que se estendia diretamente para o céu a partir do horizonte. Em pouco tempo, uma terra negra tingida estava aparecendo por baixo dessa linha.
A capital imperial de Vatlantis, Zeltis.
Era uma cidade que era como uma armadura negra cobrindo a terra. Independentemente da luz que caía do céu azul, aquela cidade rejeitava a luz e seu corpo estava sempre vestido na escuridão da noite.
A capital imperial negra que era o centro do Vatlantis.
E então, ainda mais em sua parte central.
Lá estava o centro deste mundo.
Um pilar gigantesco que perfurou o céu, o [Gênesis (O Pilar da Criação do Mundo)].
Foi criado a partir de um material desconcertante que não era pedra nem metal, tinha o formato de um quadrado com largura de duzentos metros em cada um dos lados. O pilar que crescia do chão se estendia tão alto que atravessava as nuvens em direção ao céu, e suas pontas se espalhavam amplamente no céu, como um tronco de árvore que se enraizou na terra.
O gigantesco pilar do dispositivo mecânico que conectava o céu e a terra. Foi o sistema que administrou tudo neste mundo, o céu e a terra, e então também toda a criação, também foi o objeto da fé.
Como se para proteger aquele Gênesis, um palácio negro como azeviche o cercava.
Era um castelo preto como azeviche que emitia uma pressão realmente ameaçadora. Sua aparência que estava completamente coberta com uma armadura preta brilhante emitiu destaque mesmo entre a cidade negra Zeltis. Era como se o palácio estivesse usando uma armadura mágica.
Este palácio foi construído com o objetivo de proteger esse Gênesis, que era adorado como deus. Por esse motivo, o próprio palácio foi moldado com armadura.
Aquele palácio estava cercado por uma tripla camada de alto muro de proteção. Nesta cidade dividida por muralhas do castelo, o status social das pessoas era menor quanto mais fora do local onde moravam. E então, do lado de fora do muro se espalhou a cidade onde os cidadãos normais viviam.
Cada uma dessas camadas da cidade também era toda negra.
Isso porque toda a cidade foi construída com material de cor preta. Dentro daquela cidade, luzes bonitas em variedade como verde ou azul estavam correndo por toda parte. Aquelas luzes circulavam na parede ou no telhado da beira da rua, cobrindo a cidade de todas as maneiras. As ruas e os edifícios negros de Zeltis pareciam muito melhores devido àquelas luzes incrivelmente bonitas.
Todos esses eram luz do poder mágico. A energia deste Zeltis era totalmente suprida pelo poder mágico, a força dinâmica era carregada pelos mecanismos chamados mecanismos mágicos. Aquelas eram semelhantes às armas mágicas, máquinas que eram ativadas usando o poder mágico.
Por exemplo, automóveis na forma de uma carruagem de cavalos corriam pela estrada, mas todos também eram mecanismos mágicos. Olhando apenas para a parte da frente, parecia completamente uma arma mágica na forma de um cavalo, mas atrás dela havia um espaço de embarque como um carro conectado ao cavalo. Cada parte daquele corpo brilhava com o brilho do poder mágico, mostrando que era um mecanismo que estava se movendo usando o poder mágico.
Os dirigíveis voando confortavelmente acima da cidade também eram semelhantes. Eles não estavam flutuando usando gás, eles também estavam se movendo usando a mesma teoria que as armas mágicas.
Ao lado do casco, a janela flutuante do monitor estava flutuando, parecendo executar vários contatos, anúncios e afins. Estava voando muito baixo, mas evitava habilmente os prédios.
Acima desta cidade, o navio de guerra de Ragrus avançava em direção ao palácio.
Quando se aproximaram do palácio e do Gênesis, a imensidão do Gênesis e sua estrutura complexa se tornaram óbvias.
O Gênesis era como um relógio mecânico absurdamente gigantesco. Engrenagens incontáveis, pêndulos etc. estavam entrelaçados de forma complexa, repletos de mecanismos realmente intricados.
Algumas partes desse pilar mecânico foram cobertas com uma parede externa aplicada com entalhes geométricos. Junto com os padrões esculpidos na superfície, a luz mágica do poder brilhava constantemente enquanto mudava de forma. No entanto, de nenhuma maneira todos eles estavam brilhando. Era como se a luz estivesse sem eletricidade, a luz diminuía do meio antes de desaparecer completamente. E então o sistema que estava se movendo como um relógio mecânico também se movia extremamente devagar, parecia que mesmo agora ele iria parar de se mover.
"Parece que a taxa de ativação do Genesis estava caindo novamente."
Valdy olhou para o rosto lateral de Nayuta.
"Err...... então, como esperado......"
“A destruição de Vatlantis é causada pelo Gênesis que se tornou incapaz de funcionar o suficiente, correto? E então, acredita-se que a causa seja a secura do poder mágico.”
Dizendo isso, Nayuta olhou para o pilar que era até louvado como deus. Perseguindo aquele olhar, Valdy também olhou para o céu com uma expressão séria.
"O céu está...... abaixando, de novo..."
Ragrus também fez uma careta.
"Eu tenho que abaixar um pouco nossa altitude...  Será que o Genesis está realmente bem?"
Seguindo as instruções de Ragrus, o encouraçado diminuiu um pouco sua altitude.
Não havia teto no céu de Vatlantis. No entanto, houve uma pressão estranha, a posição da nuvem também era muito menor em comparação com o céu da terra. Era como se o céu caísse agora.
Esse céu era sustentado pelo gigantesco pilar chamado Gênesis. Parecia assim. No entanto, o entorno da ponta que se espalhava no céu estava bastante distorcido, rachaduras corriam no céu com o pilar no centro.
O pilar que estava tentando sustentar o céu que ia cair, pelo contrário agora parecia que estava apunhalando o céu, tentando destruir o céu inteiro.
Por outro lado, também no chão, as fissuras também corriam no chão em forma radial com, como esperado, o Gênesis no centro. Havia também um local com brecha que atingira várias dezenas de metros no centro. O palácio que foi criado como armadura foi influenciado apenas um pouco, mas grandes danos estavam saindo da cidade fora das muralhas do castelo.
Os prédios foram destruídos devido às fissuras, pontes desmoronando e ruas divididas.
O mesmo com o céu, também parecia que abaixo do Gênesis também perfurava a terra, tentando quebrar a própria crosta terrestre.
"Ah......"
Valdy levantou uma voz curta.
Exatamente enquanto elas estavam assistindo, a terra começou a desmoronar. Juntamente com tremores e rugidos ferozes, o chão estava se despedaçando. E então, a rua e os carros que corriam em cima dela deslizavam na direção daquele abismo. A calçada da estrada, os prédios, todos estavam desmoronando como se deslizassem sobre um escorregador.
Houve um som terrível de destruição e gritos. O grito de dor das pessoas engolidas chegou até alto no céu. Sem tempo para apressar-se em sua ajuda, uma das áreas da cidade estava desmoronando por completo num piscar de olhos. E então, a água brotou do chão, inundando a cidade circundante.
Valdy e também Ragrus não tinham palavra para essa visão realmente trágica.
"Parece que o colapso está avançando novamente."
Ragrus sentiu irritação com a calma com que Nayuta estava falando.
"Você é irritante! Isso é óbvio só de olhar! Ou então o que? Você está pensando que é bom, certo? Afinal, você é alguém de Lemuria! Também posso te mandar para a cela por causa do crime de traição!"
"E, err...... Ragrus, acalme-se......"
Valdy estava interferindo em um estado nervoso. Ragrus desviou o rosto com um bufar de nariz.
“Faça algo sobre esta situação rapidamente. Caso contrário, você irá..."
Valdy levantou uma voz estranha para obstruir as palavras de Ragrus.
"Ah... Ra, Ragrus, o castelo, você vai colidir......"
"Ele? Espera! KYAAAAAAAA-, Vireee-, Viree! MUDE A DIREÇÃOOOOO! ”
Uma das torres que formavam o palácio se aproximava diante dos olhos delas. Quando Ragrus deu a ordem que levou o leme em pânico, os navios de guerra se inclinaram bastante. O navio de guerra mal evitou o contato a apenas alguns metros de um acidente.
"Eu pensei que meu coração pararia..."
Ragrus sentou-se no chão em alivio.
Mesmo quase causando um incidente que acabaria em pena de morte, o navio de guerra de Ragrus gradualmente diminuiu sua altitude e pousou no espaçoso local de desembarque exclusivo da guarda imperial nas proximidades do palácio.
A escotilha do navio de guerra se abriu, a partir daí Ragrus mostrou sua aparência.
"Agora, ande!"
O tapete vermelho foi espalhado do local de desembarque até o portão do palácio. Ragrus estava andando triunfantemente no tapete. Atrás dela, as figuras de Gravel e Aldea apareceram. Ambos tinham a parte superior do corpo delimitada por um cinto de couro que era inserido com magia restritiva e ficaram trancadas dentro de uma cela o tempo todo desde Okinawa. Vendas de olhos e mordaças foram desamarradas e eles caminharam por suas próprias forças. Hida Nayuta e Valdy as estavam seguindo.
Embora fossem contidas, Gravel e Aldea estavam agindo dignamente. Elas facilmente alcançaram Ragrus com seus pequenos passos com sua caminhada galante.
“Ei, wa, espere aí! O que vocês duas estão fazendo passando por mim, hein!?”
"Quem nos disse para andar prontamente foi você."
“Kuh, sem conversa! Você entende o seu lugar? Você é uma criminosa aqui, criminosa! Aja de acordo com isso... ei, espere, eu disse...! ”
Depois que Ragrus correu e voltou para a frente da fila, ela prestou atenção nas costas enquanto caminhava no tapete a trote.
À frente do tapete vermelho, havia as figuras dos membros da guarda imperial alinhando-se em uma linha horizontal. Cerca de cinquenta membros da guarda imperial seguidos, todas eram mulheres bonitas.
E então, no centro, havia uma mulher com um ar que obviamente era diferente com todos os membros do grupo.
O destaque era o cabelo roxo e branco brilhante, a pele branca e, juntamente com o rosto bem organizado que parecia uma boneca, ela estava flutuando em uma atmosfera misteriosa. E então a pressão dela que esmagava outras pessoas. Mesmo entre as lindas garotas fazendo fila, ela estava emitindo uma presença notoriamente grande. Pelo manto e pelo design das roupas, ficou claro que a mulher também era uma guarda imperial. No entanto, pela decoração extremamente complexa aplicada em suas roupas e no tecido de primeira classe usado, deu a impressão de uma posição que chamou a linha com os outros membros do grupo.
Ragrus bateu o punho no peito com um olhar nervoso, fazendo um gesto que mostrava respeito.
Capitã Zelcyone! Venho trazer Gravel e Aldea pelo crime de traição.
Ragrus estufou o peito liso e relatou com orgulho.
“Bom trabalho, Ragrus. Além disso, você também Valdy."
Zelcyone assentiu generosamente e depois olhou para Gravel e Aldea.
“No entanto, é uma conversa perigosa acusá-las de traição, não é? Qual o significado disso?"
Gravel aceitou o olhar de Zelcyone sem vacilar. Sem se importar com Gravel, que agiu assim, Ragrus orgulhosamente continuou seu relatório.
"Sim. Essas pessoas estavam intencionalmente deixando de avisar enquanto sabiam sobre o paradeiro de Zeros em Lemúria. Além disso, elas se dirigiram sozinhas para a Lemúria e são suspeitas de planejarem tomar Zeros para elas.
Zelcyone franziu as sobrancelhas.
"Hou? O que elas vão fazer depois de obter Zeros?"
“O Gravel não é originalmente de nosso povo do Império Vatlantis. Ela era a general de um país estrangeiro que é governado por Vatlantis. Ela é de uma tribo selvagem em primeiro lugar. Certamente ela fingiu entrar em nossa jurisdição, buscando uma chance de levantar a bandeira da revolução."
“Não brinque! Eu nunca fiz nada assim!"
Gravel uivou com uma expressão de raiva.
Ragrus deu um pulo e se afastou de Gravel.
"O que-, o que há com você, gritando com raiva assim, a corrente que você não pode fazer nada!"
Gravel encarou Zelcyone diretamente com olhos sinceros.
“Guarda imperial Capitã Zelcyone. Você também acredita em tal absurdo?"
Zelcyone olhou para Gravel como se estivesse lambendo os olhos da ponta dos dedos dos pés até o topo da cabeça, parecia que a estava avaliando.
“Então o herói da região remota está enlouquecendo...... isso não é realmente um absurdo que pode ser considerado uma história absurda. Até agora, algo assim aconteceu várias vezes. Enquanto você não for uma pessoa de sangue puro do Vatlantis, essa possibilidade não pode ser negada."
Aldea interveio como se quisesse mediar entre as duas.
"Não. Quando se trata de Gravel, ela não fará essas coisas. Esta eu, que é uma pessoa de sangue puro do Vatlantis, garante isso."
No entanto, Zelcyone rejeitou o sorriso de Aldea com um olhar frio.
“A garantia de alguém como você não significa nada. Desde o início, sua excentricidade é algo intolerável. Você foi rebaixada ao exército de subjugação, mas longe de refletir, agora está acenando com a cauda para Gravel."
Zelcyone sacudiu o queixo e deu instruções.
“Traga as duas para o meu quarto. Eu as interrogarei mais tarde."
Os membros da guarda imperial alinhadas correram para Gravel e Aldea com movimentos rápidos. As duas foram contidos por quatro pessoas cada e dez pessoas as cercavam. Elas estavam de guarda em direção a Gravel e Aldea na medida em que não separavam os olhos nem por um instante das duas.
"Nós não vamos lutar mesmo sem você ser tão vigilante, tenha certeza."
Gravel murmurou com um rosto farto, mas os membros da guarda imperial não diminuíram sua cautela. Deixando para trás as quatro pessoas alinhadas à esquerda e à direita de Zelcyone, os outros membros levaram as duas para o palácio.
Zelcyone lançou um olhar de soslaio para aquela procissão antes de passar o olhar para Nayuta.
“Então, Nayuta. Você não relatou nada para nós, mesmo sabendo de Zeros. Por quê?"
Nayuta sorriu suavemente com um 'fuh'.
“Eu sou uma humana de outro mundo. Além disso, sou apenas uma pesquisadora. Como eu poderia saber o quão importante é o Zeros para todas vocês? Conversei com Aldea-san apenas com o objetivo de fazer conversa fiada. Percebi pela primeira vez a importância de Zeros nessa comoção, realmente me chocou.”
“Você também é uma empregada pelo palácio real. Essa informação não chegou aos seus ouvidos?"
Nayuta continuou sorrindo e balançou a cabeça para a esquerda e direita.
“Eu não sou tão grosseira em picar meus ouvidos nos assuntos internos da família real. Eu pretendo saber o certo do errado lá. É perturbador se eu for considerada uma pessoa tão básica."
Zelcyone estava olhando para Nayuta com um olhar duvidoso.
“Entendo... no entanto, se é assim, por que você agiu junto com Gravel e Aldea? Se bem me lembro, você deveria construir uma instalação de experimentos em Tóquio, em Lemúria.
“Sim, a construção da usina mágica está indo bem. Outro dia, também recebi a cooperação de Zelcyone-sama, estou realmente agradecida. ”
Nayuta abaixou a cabeça profundamente.
“Foi por coincidência que encontrei Gravel-san e Aldea-san em Okinawa. Quando fui lá para confirmar o material, um ataque de Lemúria aconteceu em um golpe de má sorte e recebi o favor de embarcar no navio de guerra em retirada da guarda imperial. Lá, os dois também estavam coincidentemente no mesmo local. ”
Zelcyone cruzou os braços parecendo entediada.
“Hmph. Sua história parece direta no momento...... e então, essa usina mágica, alguma coisa, ela produz resultado? Você me incomodou a usar meu tempo, então não vou deixar você dizer que falhou."
"Voltei aqui para confirmar isso."
Hou? Então está completo.”
“Coincidentemente, esta noite, realizarei o experimento. Se você tem interesse, por favor, venha assistir. ”
“É isso mesmo, então eu vou esperar por isso. Tenho o princípio de que não vou acreditar em nada, exceto no que vejo com meus próprios olhos, afinal.”
Nayuta encarou Zelcyone e abaixou a cabeça respeitosamente, depois entrou no portão do palácio.
Olhando para a figura dela por trás, Zelcyone murmurou.
"Mesmo que ela seja apenas uma pessoa de Lemuria, ela ainda é alguém suspeita...... Valdy."
"Sim, Zelcyone-sama."
Valdy respondeu com um olhar confuso.
"Não havia nada suspeito de Nayuta?"
Valdy torceu a voz com um olhar encolhido.
"Nada. Ela, ela está realmente trabalhando para salvar Vatlantis... mesmo em Tóquio, ela fez tudo para completar a usina mágica... em Okinawa, ela também me disse... para matar um soldado de Lemúria."
Valdy pegou um pequeno pedaço de metal que estava com ela. Zelcyone aceitou o pedaço de metal e levantou a sobrancelha levemente.
"Isto é, um núcleo de armadura mágica...... você está me dizendo que Nayuta ordenou que você a retirasse do soldado de Lemúria?"
Valdy assentiu.
“Hm...... Valdy, continue vigiando e monitorando Nayuta. Não deixe ninguém se intrometer até determinarmos se o experimento dessa mulher é bem-sucedido ou não.”
Valdy fez uma cara feliz, então ela foi seguir Nayuta com um passo leve.
Zelcyone entrou no portão do palácio. Depois disso, suas quatro assessoras próximas, chamadas de Quartum (Quatro Espadas da Disciplina), também a seguiram. Ragrus, que seria deixada para trás, chamou por Zelcyone.
"Ca-capitão, onde você está indo?"
As pernas de Zelcyone pararam, ela respondeu sem nem olhar para trás.
"Eu vou interrogar Gravel."
"Ah, então eu vou junto com a capitã."
Zelcyone olhou por cima do ombro e fez um sorriso sádico em direção a Ragrus.
"Está tudo bem? Meu interrogatório, é um momento divertido, você sabe?"
"Eh..... um...... haa!?"
O rosto de Ragrus ficou vermelho por imaginar algo. Uma risada sufocada vazou entre os assessoras próximas.
É muito cedo para você. Vá para casa e descanse no seu quarto.
Ragrus ficou quieta e viu Zelcyone e suas assessoras próximas saindo.
"O que é isso...... até a capitã está me tratando como uma criança."
- Encontrei Zeros e até capturei Gravel e Aldea que agiram como quisessem, não é essa a minha conquista? No entanto, apesar disso...
Ragrush pisou no chão, depois virou-se e caminhou em direção à cidade.
'--Mas,'
Ela parou de andar e voltou ao castelo de brilho negro. Ela olhou para o pináculo altaneiro e estreitou os olhos.
- Mas, se eu conseguir conquistas ainda maiores... talvez a capitã preste mais atenção em mim.
Ragrus deu as costas para o palácio em resolução, e ela começou a andar para a cidade.
--------------------------
--------------------------
--------------------------
--------------------------

Tradutor: Ascherit
Revisor: Ascherit