Black Bullet | Vol 1 - Cap 3 (Parte 4)






Black Bullet
Volume 01 - Capítulo 03 (Parte 04)

-Parte 3-

Quando jogaram os galhos secos que haviam recolhido na fogueira, o fogo reacendeu e espalhou com entusiasmo uma luz laranja nas paredes de pedra. Assim que Rentaro usou seu kit de emergência para estancar o sangramento e desinfetar e curar a ferida, a ferida começou a se regenerar com a ajuda do vírus Gastrea. No entanto, sua velocidade de regeneração era muito modesta em comparação com a de Enju.

Com medo de que o inimigo se aproximasse enquanto ele estava tratando da garota, ele fez Enju vigiar. No entanto, Enju parecia chateada por algum motivo e fez beicinho, dizendo: "Eu não aceito essa garota!" e "Se fosse eu, minha ferida teria sarado em três segundos!" quando ela saiu do abrigo. Rentaro queria dizer que três segundos eram muito curtos, mas ela parecia muito infeliz, então ele não disse.

O nome da garota era Kayo Senju. Rentaro ficou pasmo consigo mesmo por não saber o nome da garota que ele considerava a “garota faminta” até então.

“Por alguma razão, parece que sua parceira está extremamente zangada.” A garota falou com uma atitude estranhamente fria.

Rentaro olhou na direção em que Enju havia ido. “Caramba, por que ela de repente ficou tão chateada? Não me diga que ela já está nessa idade rebelde...?"

“Acho que o motivo é óbvio...” Ela falou como se cuspisse suas palavras no espaço, com um tom desprovido de qualquer emoção. Rentaro estava perdido. Por ter uma calma que não combinava com sua idade, era difícil ler suas emoções. No Ministério da Defesa, Rentaro achava que ela tinha um senso de humor melhor do que isso, mas aparentemente ele estava errado.

"Você acha que eu sou estranha?" a garota perguntou.
Percebendo que o estava encarando, Rentaro desviou o olhar. "Não, na verdade não…"

A garota fechou os olhos e colocou as mãos no peito. "Não se preocupe com isso. Estou acostumada a ser tratada assim. Eu também sou um da primeira geração de Crianças Amaldiçoadas. No entanto, como possuo o Fator Golfinho em meu corpo, tenho um QI mais alto e melhor memória do que os Iniciadores normais. Meu QI está em torno de 210 pontos.”

Rentaro ficou surpreso. "Você tem mais do que o dobro do meu QI?"

“Bem, os testes de inteligência feitos quando criança têm a tendência de superestimar.” Ela mostrou humildade mesmo sendo uma criança.

Rentaro foi dominado por uma estranha sensação de derrota. “Então, você assume o comando e a retaguarda com seus cérebros, e Shogen é a guarda avançada? Esse é um estilo incomum.”

“Isso é porque Shogen tem músculos no lugar do cérebro e não tem paciência, então ele não pode apoiar ninguém. Ele ainda fica chateado quando as batalhas são tiradas de nós. Sua maneira de pensar é antiquada e inflexível, o que é problemático.” A garota quebrou um galho fino em dois e jogou os pedaços no fogo.

Totalmente espantado com a maneira como ela não mediu palavras, Rentaro olhou para a espingarda caída ao seu lado. "Deixe-me ver sua arma."

Ela pensou um pouco. "E se eu disser não?"

"Isso é bom. Se você não sente gratidão por ter sido resgatada, você pode fazer isso.”

Kayo parecia resignada e exalou pelo nariz, entregando-lhe a arma. “Se há uma coisa que aprendi, é que quando uma boa ação é feita em troca de recompensa, ela se corrompe.”




Rentaro fingiu não ouvir enquanto examinava a arma. A espingarda totalmente automática de Kayo com silenciador tinha uma unidade lançadora de granadas do tipo add-on em um trilho de expansão de equipamento de 20 mm. Ambos eram modelos Shiba Heavy Weapons 2027. Quando Rentaro atirou o lançador para a direita e espiou dentro da câmara, ele franziu a testa. Então ele olhou para cima, olhando para a garota na frente dele. “Por que você usou explosivos na floresta? Esta é a caixa vazia de um projétil de alto explosivo de 40 mm.”

Foi por causa disso que Rentaro e Enju foram perseguidos por um Gastrea Estágio Quatro e quase morreram. No Território Inexplorado, preservar o silêncio era uma regra dura e rápida, independentemente do que se estivesse fazendo. Um par cuja classificação estava muito acima de Rentaro e Enju deveria saber disso. Kayo abraçou seus joelhos delicados e olhou para o fogo por um tempo.

“Shogen e eu caímos em uma armadilha”, disse ela. “Graças a isso, não fomos apenas feridos, mas também nos separamos.” "Uma armadilha?" disse Rentaro.

"Sim. Também fomos deixados em uma floresta densa e, dentro da floresta, vimos um curto padrão de luz bruxuleante. Achamos que era um aliado e o abordamos com a guarda baixa.” Abraçando os joelhos com mais força, a garota ficou menor. “Se tivéssemos sido mais cuidadosos, teríamos percebido que ninguém usaria uma luz tão fraca e azul como o fogo-fátuo.”

Rentaro engoliu em seco. "O que era isso…?"
Kayo olhou para ele e voltou a olhar para o fogo. “A primeira coisa que notei foi um cheiro podre. Havia um fedor intenso de algo podre e um grande enxame de moscas se reuniu. O Gastrea tinha flores nojentas crescendo aqui e ali, e sua cauda emitia luz. Quando nos viu, estremeceu repugnantemente, como se estivesse encantado. Já vi muitos tipos diferentes de Gastrea, mas isso me fez paralisar.

“Pensando que seria morta, usei o projétil de alto explosivo no calor do momento. Depois disso, aconteceu como você imaginou. Todos os Gastrea da floresta acordaram e, enquanto estávamos sendo perseguidos, me separei de Shogen. Foi então que fui mordida no braço. Felizmente, apenas uma pequena quantidade de fluido corporal foi injetada, então não parece que terá muito efeito.”

Rentaro apoiou o queixo nas mãos enquanto ouvia a história de Kayo. “Isso é apenas um palpite, mas acho que foi um Firefly(vagalume) Gastrea.”

"Um vagalume?"

“Sim, os vagalumes vivem de pólen e néctar, mas você sabia que também existem vagalumes carnívoros ferozes? Eles imitam os padrões de luz de outros vagalumes e atacam os vagalumes que se aproximam deles. Para se alimentar de humanos, provavelmente evoluiu especialmente para emitir um padrão de luz que pensava atrair humanos. Vocês caíram na armadilha. As plantas ao redor provavelmente eram orquídeas. Eu ouvi dizer que existem espécies que exalam odores como mofo, urina e carne podre, a fim de atrair moscas e pequenos insetos alados para que carreguem seu pólen... Provavelmente sintetizou um cheiro que atrairia os humanos. É incomum ver um Gastrea misturado com um tipo de planta. Com um espécime especialmente evoluído tanto, é provavelmente um Estágio Três.”

Os olhos de Kayo se arregalaram. "Isso é possível?"

“Gastrea faz isso para enganar a humanidade. Os humanos não perderiam para os organismos burros.”

Kayo não disse nada por um tempo. No entanto, quando a tensão em seus ombros finalmente foi liberada, ela soltou um suspiro lento. "De qualquer forma, você fez um bom trabalho adivinhando o tipo de Gastrea que você nem viu. Voce é um fã?"

"Ugh... Não me chame assim."

“Você parece que teve uma infância sombria em que ficava contente quando submergia um formigueiro com água. Você estava tipo, ‘Hah, afogue! É o grande dilúvio de Noé! Conheça a ira de Deus!'? Eu imagino que você tenha se divertido, hein? Compreendo."

"Sim, é isso mesmo, é assim que foi. Eu matei uma tonelada de formigas, me desculpe, certo?"

Kayo parecia divertida pela primeira vez e franziu os cantos dos olhos. Então ela baixou o olhar de volta para o fogo. “Mas deve ser bom. Não acho que ficaria entediada se tivesse um Promotor como você. Estou com um pouco de ciúmes da Enju.”

Rentaro tentou agir o mais indiferente possível quando pediu,
“Você se diverte com um Promotor como o Shogen?”

Ela fez uma pausa. “Iniciadores são ferramentas usadas para matar. Isso é tudo que há para fazer.” Kayo não respondeu à pergunta de Rentaro. “Enju provavelmente nunca matou uma pessoa antes, não é? Posso dizer olhando nos olhos dela.”

"Isso é verdade, mas você já?"

"Sim. Eu matei um par que conhecemos no caminho para cá.”

A princípio, Rentaro achou que a tinha ouvido mal. "Por que você fez algo assim...?"

“Shogen me ordenou. Quando fomos atraídos pela luz do vagalume, se fosse outro par de humanos e tivéssemos a chance, provavelmente teríamos feito o mesmo então, também. De acordo com Shogen, ‘Eu não vou deixar ninguém matar aquele bastardo mascarado zombeteiro’”.

Rentaro cerrou os punhos. "Você não pensa antes de matar alguém...?"

"Eu estava assustada. Minha mão tremia. Mas foi só isso. Esta foi a minha segunda vez. Acho que vou me acostumar com isso eventualmente.”

A raiva cresceu dentro dele. Antes que ele percebesse, Rentaro agarrou Kayo e a empurrou. “Não brinque com isso! A coisa mais assustadora em matar alguém é se acostumar a matar. Quando as pessoas percebem que não serão punidas por matar alguém, é quando se esquecem que é um pecado.”

“Isso é algo que você pode dizer porque já sujou as mãos com assassinato antes? Você tem olhos misteriosos, Satomi. Parece que você teve um passado complicado. Eles são gentis, mas olhos extremamente assustadores...”

Rentaro fez uma pausa. “Ei, você sabe por que Enju fala tão pomposamente? É porque ela pensa que está fazendo o importante trabalho de proteger a humanidade que ela é capaz de falar com orgulho com a cabeça erguida. Simples, não é? Certa vez, houve um tempo em que Enju quase matou um Promotor... Enju circulou pela sala de cirurgia o tempo todo, e quando soube que ele tinha sobrevivido, ficou feliz o dia todo e até foi visitá-lo no hospital..."

"Satomi, isso é apenas conversa fiada." Kayo olhou para Rentaro com um olhar estranho. A laranja da fogueira se refletiu em seus olhos.

Rentaro se levantou devagar e se afastou da garota. "Desculpe. Não sei por que estou dizendo coisas tão importantes... Droga."

"Porque você está se desculpando?"

Algo agarrou a manga do uniforme de Rentaro com força.

"Hã?" disse Rentaro.

"Por que você está se desculpando, embora o que você está dizendo esteja certo?" perguntou Kayo. "Você está certo. Por favor, tenha mais confiança em si mesmo. Eu me sinto estranha agora. Eu não entendo esse sentimento. Mesmo que eu imediatamente tenha pensado em dezenas de refutações ao que você disse, não quero negar as palavras que você falou... Esta é a primeira vez que me sinto assim.”

"Kayo..." Uma emoção estranha brotou no peito de Rentaro. A impressão que Rentaro teve dela desde o primeiro encontro não estava errada, afinal. Enquanto ela enxugava rapidamente os olhos na manga, a fenda na armadura que ele viu na menina de dez anos de idade foi embora.

"Quer alguma coisa para beber?" Kayo disse enquanto pegava uma chaleira e um pouco de café instantâneo da mochila e começava a ferver a água.

Ouvindo o estalo da lenha, Rentaro olhou para o teto. Uma lua crescente brilhava no céu que espiava do telhado do abrigo da caixa de remédios que desabou com o vento. Olhando em volta dentro do refugio novamente, ele viu as ruínas de armas de pequeno porte enferrujadas deixadas para trás pela força de autodefesa durante a Grande Guerra.

Rentaro pegou uma das balas que estava perto de uma arma de 9 mm e segurou-a acima da fogueira. Bem abaixo da espessa ferrugem e sujeira, o latão brilhava, iluminado pela luz laranja. "Você sabe o que é isso?" Ele perguntou a ela. “É chamado de Parabelo de 9 mm. Um Parabellum é-”

Ela o interrompeu. "Eu sei o que é isso. Veio do latim que significa ‘prepare-se para a guerra’, certo?”

Rentaro lançou um olhar para Kayo. “Como esperado de alguém com um QI de 210. Você sabe de tudo, não é? Sim, significa: 'Se você busca a paz, prepare-se para a guerra'.”

Kayo serviu um pouco de café em um copo de papel e o entregou a Rentaro. Suas palmas aqueceram gradualmente. Kayo segurou sua xícara com as duas mãos e soprou para esfriar.

“É este o resultado da preparação para a luta?” ela perguntou. “Um grande número de minas terrestres no Território Inexplorado, um grande número de bombas de fragmentação não detonadas espalhadas por toda parte e, depois de tudo isso, tudo o que ganhamos foi este pequeno jardim em miniatura, longe da paz.”

“Era uma época em que eles não podiam se preocupar com as aparências, por isso”, disse Rentaro. “Mas, nos últimos dez anos, eles conseguiram realizar uma restauração adequada.”

“A restauração que estão fazendo atualmente é realmente uma restauração saudável?”

Por alguma razão, ele ficou surpreso com a pergunta dela. "Porque perguntas isso?"

“Eu faço parte da Geração Inocente que não conheceu a Grande Guerra. No entanto, nos corações da Geração Roubada, cujos filhos foram devorados diante de seus olhos e cujos amantes se transformaram em feios Gastrea, posso ver vislumbres de ódio franco. A moral pública e os sentimentos estão em desordem, e há muitas armas feitas especialmente para o abate, como a Escada para o Céu.”

Olhando na direção que Kayo estava apontando, ele pode ver um objeto em forma de escada que se movia atrás de nuvens finas.

“Isso não é mais do que a ponta do iceberg”, ela continuou. “Você também ouviu falar do Projeto de Criação da Nova Humanidade, certo? O projeto foi abandonado quando as pessoas perceberam as habilidades de luta de nós, Filhos Amaldiçoados, mas houve experiências no passado para criar os soldados definitivos usando o poder da liga de Varanium. Ouvi dizer que eles estavam até realizando experimentos com pessoas. Isso é algo que ninguém seria capaz de imaginar em um Japão antes da Grande Guerra.”

Rentaro ouviu sem mover um músculo. Kayo parou de falar e tomou um gole de café. “Bem, a última parte eu pensei que era apenas uma lenda urbana até que vi Kagetane Hiruko”, acrescentou ela.

“Contar com esse tipo de poder é algo que os covardes fazem”, disse Rentaro.

"Satomi?"

Rentaro não sabia o que dizer e, em vez disso, levou o café aos lábios. Ele fez uma careta involuntariamente com a amargura que encheu sua boca. De repente, ele foi surpreendido pela estática e rugido de uma voz masculina áspera que veio do receptor preto ao lado de Kayo.

Parecia ser um rádio. Quando Kayo girou o botão que estava para fora, o som se tornou claro e se transformou na voz de um homem que ele não poderia esquecer, mesmo que quisesse. "Responda. Ei! Se você está viva, responda!”

Kayo sinalizou para Rentaro com os olhos. Ela provavelmente estava dizendo a ele para não falar. Rentaro acenou com a cabeça em silêncio. Era verdade que seria difícil explicar a Shogen por que ele estava aqui com ela.

“Fiquei preocupada porque não houve contato seu”, disse ela. "Estou feliz que você esteja seguro, Shogen."

“Claro que você está! Mais importante, Kayo, tenho boas notícias.” Shogen Ikuma parou de falar por um momento, como se fosse fazer um anúncio importante. Através do rádio, Rentaro podia imaginá-lo sorrindo sob seu lenço de rosto com estampa de caveira.

"Eu encontrei o bastardo mascarado."

Os olhos de Rentaro e Kayo se encontraram.

"Onde você o encontrou?" Kayo perguntou.

Rentaro tirou o mapa do bolso e espalhou-o no chão. Ele rapidamente encontrou o local que Shogen descreveu. Uma área urbana próxima ao litoral? Foi muito perto.

“No momento, os oficiais civis próximos estão se reunindo para lançar um ataque surpresa conjunto. Eu realmente quero saltar com a arma e agir primeiro, mas bem, ele é classificado mais alto do que nós, e os Iniciadores parecem relutantes. Finalmente decidimos sobre o plano que acabei de dizer agora. Se todos nós dividirmos tudo igualmente, não será interessante. Você deve se apressar e nos encontrar também.” Ele desligou sem nem mesmo esperar pela resposta de Kayo.

Rentaro tinha ouvido vozes ásperas e risos atrás de Shogen.
O plano de ataque provavelmente estava progredindo como ele havia dito.

Kayo imediatamente começou a fazer as malas e apagar a fogueira.

"Então você vai?" Rentaro perguntou a ela.

“Sim.” ela disse. “Apesar de tudo, ele ainda é meu parceiro. E você, Satomi?"

Rentaro ficou inseguro quanto aos seus próprios sentimentos. Se os outros oficiais civis podiam cuidar disso, ele estava inclinado a confiar que eles o fizessem. Ele agiu com frieza na frente de Kisara, mas o medo de ser morto por Kagetane sem ser capaz de levantar um dedo tinha apenas um dia e não era algo que ele pudesse esquecer ainda. Ele balançou a cabeça suavemente. Não, ele tinha que fazer isso sozinho.

Rentaro colocou seus próprios sentimentos pessoais de lado por um momento e analisou a estratégia objetivamente. O problema era quão boas eram aquelas pessoas com as quais Shogen havia unido forças. Suas fileiras eram desconhecidas, mas não parecia que havia apenas um ou dois pares atrás dele. Provavelmente havia pelo menos um pouco menos de dez pares. E entre eles, havia até o deus da batalha, Shogen Ikuma, com um IP Rank de 1.584, que poderia lutar sem a ajuda de seu Iniciador. Quer Kagetane ganhasse ou a equipe de oficiais civis ganhasse, seria inevitavelmente uma batalha feroz.

"Como está seu braço?" Rentaro perguntou.

Quando a garota tirou o curativo silenciosamente, ele pôde ver que a ferida ainda estava em processo de cicatrização.

Rentaro olhou na direção da cidade. No mínimo, ele deveria ver como essa batalha acabou.

-04:00.-

Rentaro chamou Enju de volta, e os três deixaram o abrigo. Comparado a Rentaro e Kayo, que estavam aconchegados dentro da fogueira, Enju, que estava de guarda há muito tempo, tinha visão noturna muito melhor, então ele a fez assumir a liderança.

Depois de caminhar um pouco, houve uma pausa na floresta, e eles se viram em um campo aberto com uma boa vista. Se continuassem assim por mais alguns quilômetros, estariam na cidade, mas Rentaro deu a volta deliberadamente e rumou para uma pequena colina. Não havia onde se esconder no caminho direto para a cidade. Ele decidiu que eles precisavam proceder com cautela aqui.

Enquanto caminhavam, o cheiro de água chegava às suas narinas. O oceano estava perto.

Em parte, havia vestígios de um acampamento noturno em um lugar que era cercado por vegetação rasteira alta. Eles devem ter ficado com medo de que houvesse fumaça, então não havia sinal de cozinhar, mas bolsas com comida portátil estavam espalhadas ao redor. Era um grupo maior do que ele esperava.

Rentaro começou a entrar em pânico. Como Shogen havia dito que eles lançariam um ataque surpresa, isso significava que provavelmente seria um ataque noturno ou de manhã cedo. Faltavam apenas duas horas para o amanhecer. Se eles tivessem saído daqui, ele poderia assumir com segurança que já haviam iniciado a operação.

Fazendo um desvio cuidadoso, os três alcançaram a pequena colina de onde podiam ver a cidade. Abaixo deles, a cidade estava estranhamente silenciosa. Um número incontável de barcos de pesca e pequenos barcos atracados na baía curvados como uma lua crescente.

Era uma pequena cidade que provavelmente estava preocupada com a diminuição da população mesmo antes da Grande Guerra. Assim como ele pensou que é claro que não haveria luz, ele viu uma única luz no topo de um prédio branco que parecia uma igreja. Esse deve ser o lugar.

De repente, ele ouviu o som de armas e engoliu em seco. O primeiro tiro sinalizou o início da batalha, e rajadas de tiros e o som estridente de espadas se chocando continuaram. Isso havia começado.

“Rentaro!” Enju gritou. “Tudo bem”, disse Rentaro. "Vamos." “Vou ficar aqui”, disse Kayo.

Surpreso, Rentaro viu Kayo de costas para ele. "Por quê?" No momento em que ele gritou, um animal de quatro patas apareceu no caminho por onde eles tinham vindo, disparando como uma bala.

Kayo liberou seu poder e enfrentou-o de frente, contendo seu ímpeto. Rentaro ficou surpreso. Era um cervo Gastrea. Havia chifres perfurando sua pele por toda a metade superior de seu corpo. Sendo perfurada por vários desses chifres, Kayo forçou sua espingarda na boca de Gastrea e puxou o gatilho em um flash.

O Gastrea soltou um grito assustador quando foi soprado para longe e parou de se mover.

Kayo se virou como se nada tivesse acontecido, apesar do sangue escorrendo de seu estômago. “Parece que eles nos seguiram. Além disso, você não ouviu o barulho, Satomi? Se ninguém ficar aqui para detê-los, todos serão eliminados, quer ganhemos ou perdemos.”

Olhando para trás depois que ela disse isso, ele ouviu rosnados baixos e assobios estridentes da floresta densa que eles tinham acabado de sair. Despertados pelos tiros da cidade, os Gastrea estavam se comunicando com seus amigos através de várias bandas de frequência.

Kayo enfiou sua espingarda totalmente automática no chão com extrema calma, largou a mochila e tirou todas as suas munições extras e começou a alinhá-las no chão. Ela estava se preparando para resistir até o fim. As feridas em seu braço perfurado e estômago estavam se regenerando enquanto ela fazia isso.

“Então, nós também ficaremos—” Rentaro começou.

Kayo pousou a espingarda no ombro e disparou para o céu. Alguns dos tiros encontraram alvos, e silhuetas que pareciam pássaros monstruosos gritaram quando caíram na floresta.

"Satomi, você é estúpido?" Kayo disse. "O dado foi lançado. Vocês dois devem cruzar o rio Rubicon. Em troca, quando terminarem, voltem para me ajudar.”

Rentaro fechou os olhos e inspirou profundamente, depois expirou. Se ele se lembrava corretamente, um comandante superior precisava tomar decisões em cinco segundos com base no estado de guerra em constante mudança. “Vamos deixar este lugar para você. Pare os Gastrea. Mas não tente fazer o impossível.”

"Não se preocupe. Quando eu estiver em desvantagem, vou fugir, então, por favor, cuide de Shogen.”

"Tudo certo. Venha, vamos, Enju. " “Ok, entendi”, disse Enju.
Rentaro começou a correr. A cidade cresceu lentamente. Vendo que as casas e pequenos prédios mantiveram sua forma original, Rentaro percebeu que as pessoas aqui haviam abandonado sua cidade antes de serem atacadas pelos Gastrea e se refugiaram em Tóquio.

Suas formas originais foram preservadas, mas não completamente. Normalmente, em casas ou prédios onde o aquecedor deixa de ser usado, quando passam por grandes mudanças de temperatura, após se expandir e contrair continuamente, as paredes começam a desmoronar. No caso desta cidade, além da habitual expansão e contração, o vento salgado do oceano também corroeu o material de base, pelo que a situação apresentou era ainda mais grave.

Olhando para a cidade em ruínas, Rentaro podia sentir claramente a fraqueza de um ambiente feito pelo homem. Quando Rentaro entrou na cidade, ele passou pelas sombras dos prédios. Os incontáveis ​​barcos atracados também estavam completamente enferrujados e os barcos de pesca haviam se transformado em um estado bizarro que tornava fácil confundi-los com barcos mal-assombrados. Cada vez que o vento soprava, essas silhuetas de cores escuras faziam um som áspero.

Rentaro e Enju foram se aproximando gradativamente dos tiros. O coração de Rentaro bateu forte. Sua pele, que havia se tornado tão sensível quanto um radar, pinicava toda vez que o vento soprava.

Ele se perguntou o que teria acontecido. Ele não ouvia tiros há algum tempo. Se eles tivessem derrotado Kagetane, alguém teria dado um grito de triunfo. Por que estava tão quieto? Cuidado, Rentaro Satomi.

Removendo o silenciador que agora era apenas um impedimento, ele segurou o XD com a mão direita e a lâmpada com a esquerda. Cruzando os braços, ele continuou com as costas das mãos juntas. Ele esperou para acender a luz. Quando ele encontrasse o inimigo, ele poderia direcionar a luz para o rosto do inimigo e destruir sua visão noturna enquanto disparava tiros unilaterais. Era uma técnica de tiroteio de curta distância chamada postura de Harries usada por profissionais.

Por fim, seus pés bateram em algo e, quando Enju tateou para pegá-lo, ela soltou um grito curto. Um braço havia sido cortado graficamente, ainda segurando uma arma. Estava tão fresco que parecia que ainda iria liberar vapor. Naquele momento, veio um baque de uma casa térrea e Rentaro quase atirou.

"Minha espada... Onde... está minha espada...?"

"Você é... Shogen... Ikuma...?"

O homem com o lenço de cara de caveira que estava jogado no banco do armazém reconheceu Rentaro e se levantou devagar, caminhando cambaleante em sua direção. Ele parecia ter perdido a visão.

"Com licença...", disse ele. "Você... sabe... onde minha espada está…? Enquanto eu tiver isso, ainda posso lutar... ”

Rentaro ficou boquiaberto enquanto olhava por um longo tempo para a enorme espada quebrada presa nas costas de Shogen. Quando Shogen passou por Rentaro, ele caiu de joelhos, tossindo sangue, e depois caiu no chão. Ele não se moveu novamente. A situação era tão diferente do que Rentaro havia imaginado que demorou um pouco para seu cérebro processar tudo.

Shogen estava morto? Um dos maiores rankers de IP, com uma classificação de 1.584? Rentaro agarrou seu XD e pediu desculpas a Kayo em seu coração. Encontrando a arma reserva de Shogen em sua cintura, Rentaro a examinou rapidamente. Uma arma automática Smith & Wesson, Sigma. Vendo que estava totalmente carregado com balas Varanium calibre .40, Rentaro enfiou-o no cinto e se levantou. Ele parou na esquina que dava para a rua. “Enju, vamos sair para a rua."

"No entanto, não importa o que você veja, você não pode gritar.” “Quanto pior pode ficar, Rentaro?” ela perguntou.

Rentaro não respondeu. Por estarem a favor do vento, ele já estava sentindo o cheiro forte de sangue há algum tempo. Com a arma pronta, ele correu para a rua.

Enju engasgou. “Rentaro… O que é isso…?”

A coisa mais próxima estava apenas alguns metros à frente. Era a cabeça de um Iniciador que havia sido cortada e rolada para o chão. Ele olhou para eles com uma expressão permanente de choque. Mais abaixo estava uma pilha de cadáveres de Iniciadores e Promotores empilhados um em cima do outro. Eles foram mortos rapidamente com uma arma. A rua se transformou em um mar de sangue. Entre os cadáveres, Rentaro viu alguns rostos que já tinha visto no Ministério da Defesa. Rentaro mordeu o lábio e tentou desesperadamente ficar de pé em meio ao fedor asfixiante enquanto seus joelhos ameaçavam ceder.

Mais cem metros à frente, ele viu uma porta aberta que dava para a igreja. Os castiçais na parede ardiam intensamente com as chamas. A cruz sagrada pendurada no alto olhou friamente para a imagem do inferno abaixo.

Naquele momento, ele ouviu uma voz familiar vinda do cais.

"Papai, estou surpreso. Ele realmente ainda está vivo.”

A dupla Kagetane estava parada na ponta do píer, olhando para a superfície do oceano. Uma tinha duas espadas na cintura e usava um vestido preto. O outro era o homem misterioso usando um fraque vermelho vinho, máscara e chapéu de seda.

Rentaro não conseguia acreditar no que via. Esse par interceptou muitos oficiais habilidosos e eliminou todos eles, mas nenhum deles teve um único arranhão. Rentaro foi atormentado por um arrependimento intenso e deu um passo para trás.

Por que ele não esperou até que pudesse pedir o apoio de outros oficiais civis? Ele enfrentou o par várias vezes e foi claramente mostrado sua força sobre-humana cada vez. Mesmo que não o tivesse feito, o resultado da batalha ficou claro quando Shogen Ikuma foi morto sem ser capaz de fazer nada. Naquela época, Rentaro ainda poderia ter se virado e fugido.

Depois de perder as duas chances que tinha, ele estava agora na pior situação possível. Era tarde demais para correr agora. "Kagetane...", disse ele. “Onde está a maleta..?!”

"Eu sabia que você viria." Um vento morno soprou na pele de Rentaro. Com a lua atrás dele, Kagetane Hiruko se virou com uma arma em ambas as mãos, abrindo os braços com
benevolência. “A cortina final está próxima. Vamos resolver isso, Satomi."

--------------------------
--------------------------
--------------------------
--------------------------
Tradutor: Ascherit
Revisor: Ascherit