Black Bullet | Vol 1 - Cap 3 (Parte 2)





Black Bullet
Volume 01 - Capítulo 03 (Parte 02)

-Parte 2- Eram 21:00Hrs.

Ouvindo o gemido de vespa do rotor, Rentaro olhou atentamente para a floresta escura espalhada abaixo deles. Foi a primeira vez que ele voou em um helicóptero duas vezes em um intervalo tão curto. A floresta estava envolta em uma escuridão tão profunda que o luar não conseguia penetrar.

Rentaro estava no hospital à beira da morte, então ele recebeu as instruções pessoais de Seitenshi, mas com base no curso do helicóptero, parecia que o esconderijo de Kagetane ficava próximo à Península de Boso, na antiga prefeitura de Chiba. O piloto havia apontado o local do Novo Aeroporto Internacional de Tóquio antes, mas estava escuro demais para ver. Provavelmente eram apenas ruínas convertidas em canteiros de plantas, de qualquer maneira. Rentaro não estava realmente interessado.

Além de Abiko, Usui e algumas outras áreas perto de Tóquio, a maior parte da prefeitura de Chiba não havia sido cercada pelos monólitos a tempo. O helicóptero havia passado pela fronteira do Monólito muito antes. Eles já estavam na área perigosa onde os Gastrea estavam, o Território Inexplorado. Em algum lugar aqui, um par que já teve um IP Rank 134 estava escondidos. Já era hora de as outras duplas de oficiais civis serem deixadas dos helicópteros ou outros veículos de transporte nas áreas que deveriam cobrir.

Rentaro batia os pés nervosamente enquanto esfregava as mãos. Esta foi a força total que foi convocada para caçar o par Kagetane. Ele tinha ouvido falar que havia muitos pares além dele envolvidos nesta operação. Entre eles, também deve haver pares de classificação superior ao par Kagetane. Havia uma probabilidade extremamente baixa de que Rentaro fosse o primeiro a encontrar o esconderijo de Kagetane e entrar em combate com eles. Mesmo assim, com o passar do tempo, ele foi ficando cada vez mais nervoso. O que foi essa impaciência indescritível que ele sentiu?

*N/R: Os 'Pares' se refere ao Oficial Civil e ao Iniciador.*

Antes de partirem, Rentaro passou pelo hospital universitário para visitar Sumire. Olhando para o rosto dele, Sumire jogou uma grande sacola de compras nele. Rentaro pegou-o, cambaleando, e ficou surpreso ao abrir e olhar dentro.

"É da sua chefe", disse Sumire. “Ela disse que tudo o que ela pensou que você poderia precisar estava ai dentro. Isso é o suficiente?"

"Wow... é mais do que o suficiente..." Agradecendo a presidente do conselho estudantil em seu coração, Rentaro prendeu a bolsa na cintura e o coldre em seu cinto, encheu a bolsa com as diferentes ferramentas de que precisava e trocou o cano XD por um com silenciador. Ele tentou pular com leveza e não sentiu muita diferença no peso. Como sua chefe sabia que Rentaro evitava usar equipamentos como uniforme de batalha, capacete e coletes à prova de balas, ela mantinha coisas que mudavam sua aparência ou aumentavam o peso ao mínimo. Miori Shiba, filha do CEO da Shiba Heavy Weapons(Armas Pesadas*). Ela realmente conhecia Rentaro bem.

“Cara, que chato”, disse Rentaro. "Agora tenho que agradecê-la da próxima vez que a vir."

"Ela tem grandes esperanças em você, não é?" disse Sumire.

“Agradeça a ela por alcançar grandes conquistas.”

Ele imediatamente pegou o que ela jogou em seu peito. Havia cinco pequenas seringas conectadas como sinos. Dentro de cada um havia um líquido vermelho e uma tampa em cada agulha.

"Este é o meu presente de despedida", disse ela. “É algo que fiz enquanto pesquisava sobre os Gastrea. Você sabe do que estou falando quando digo que é a droga de teste AGV?"

Rentaro olhou para eles maravilhado e continuou olhando para a droga lá dentro.

“Não use a menos que seja necessário”, ela continuou. “Se você for embora, haverá menos visitantes nesta sala do porão, e isso será problemático.”

Ele não sabia o que dizer para agradecê-la, então apenas ficou parado por um momento.

“Tenho um conselho importante”, disse Sumire. "Quer ouvir?"

"S-sim." Rentaro se endireitou.

Sumire pôs as mãos nos ombros dele. "Você sabe... se você morrer, você deve morrer ordenadamente."

"Hã?"

“Eu preferiria que você congelasse até a morte, se possível. Não, não, isso é pedir demais. Nesse caso, morrer de fome também seria ótimo. Vou despejar terebintina em seu ânus e cobri-lo com sais de natrão e colocá-lo para secar ao sol."

"V-Você está planejando me transformar em uma múmia e me usar para decorar seu laboratório?!"

“Você entende as coisas rapidamente. Está certo. Não se preocupe, como um acessório funerário, vou colocar uma calcinha de Kisara na sua cabeça e colocá-lo na universidade onde todos possam ver!" Ela riu maldosamente.

“Acabei de decidir! Quando eu morrer, vou morrer com um monte de granadas de mão em meus braços. Vou descansar em pedaços!" Perguntando a si mesmo que tipo de ameaça isso deveria ser, ele ficou um pouco deprimido por não poder morrer sem cuidado.

“Rentaro, posso dizer mais uma coisa?” Sumire se sentou e cruzou as pernas. Rentaro sentou como se não fosse ser enganado por ela novamente.

Mas ele estava errado.

“Dez anos atrás, desde o dia em que os Gastrea começaram a exterminar a humanidade, meu mundo mudou completamente. Montes de corpos, fluxos de sangue, cadáveres mutilados... Não importa quantas palavras você usasse, não seria o suficiente para descrever esse inferno. No entanto, mesmo que fosse esse o caso, o que eu fiz com você não pode ser perdoado.” Sumire estremeceu enquanto segurava o medalhão no peito. Rentaro sabia que havia uma foto de seu amante lá dentro. “Minha conduta era anormal na época. Eu não sei o que posso dizer para me desculpar.”

Rentaro hesitou algumas vezes e finalmente falou. "Doc... nunca mais me ressenti de você, desde aquele dia." Sumire não disse nada por um tempo.

Rentaro deu uma olhada no medalhão antes de voltar seu olhar para Sumire. Rentaro guardou silenciosamente o XD no coldre e se virou para sair. Quando ele estava saindo, Rentaro olhou para as estantes dela com sua coleção de filmes de faroeste e de repente fez um sinal de positivo. "E-Eu voltarei", disse ele, hesitante.

Sumire olhou para ele sem expressão por um momento, como se ela não soubesse o que ele queria dizer. Rentaro ficou repentinamente envergonhado, mas não podia simplesmente fingir que não tinha acontecido neste momento, então tentou gritar mais uma vez em desespero. "Eu disse... E-Eu voltarei!"

No instante seguinte, Sumire estava segurando o estômago de tanto rir. “Oh cara, você acha que tem o rosto de uma estrela de Hollywood?"

"Mesmo se eu perdoasse sua atuação terrível, você precisa pelo menos ser capaz de dizer isso sem ficar envergonhado. E você precisa se tornar um homem digno dessa linha. Não morra."

Ele foi subitamente puxado de volta à realidade por um puxão em sua manga. O som dos rotores do helicóptero voltou a seus ouvidos.

"O que foi?" Enju perguntou. "O que você está pensando, Rentaro?”

"Nada...", disse ele.

Enju, enrolada em uma camada extra de jaqueta de vôo verde, estava olhando para ele. Sua boca ficou presa por um tempo enquanto ela se mexia nervosamente.

"Agora que penso nisso, é a primeira vez que você vai ao Território Inexplorado?" perguntou Rentaro.

Enju concordou. Rentaro entendeu. Coisas que alguém tinha que fazer fora do Monólito definitivamente não eram algo em que você pensaria se morasse dentro de casa. Ele se preparou, pensando que teria que fornecer a ela o melhor apoio que pudesse. “Há algo que você gostaria de perguntar antes de iniciarmos a operação?” - “Como se chama este helicóptero?” Enju perguntou.

Rentaro olhou ao redor dentro da aeronave. “Parece que partes dele foram atualizadas, mas provavelmente é a versão japonesa de um Black Hawk (Falcão Preto*)."

“Eu conheço esse nome! É um daqueles fracos daquele filme retrô que peguei emprestado de Sumire, onde dois deles caíram." - "Rentaro, Esse vai cair também?”

O piloto olhou para eles com uma expressão desagradável no rosto. “Ei, idiota! O que você está dizendo?"

Rentaro se desculpou com um olhar e estava prestes a reclamar com Enju, mas quando ele se virou para ela, ela tinha uma expressão tão sombria no rosto que ele não conseguiu terminar o que estava prestes a dizer. Ela provavelmente estava tentando se livrar do nervosismo à sua maneira. Não importava o quanto sua força ultrapassasse a norma humana, ela ainda era uma criança de dez anos. Olhando para Enju, às vezes ele se esquecia disso. Rentaro decidiu que ficaria com ela até o fim e assentiu levemente com determinação.

"Você tem alguma outra... pergunta que gostaria de fazer?" disse Rentaro.

“Então... que parte deste helicóptero foi atualizada?” perguntou Enju.

“O helicóptero de novo? Você realmente gosta de helicópteros, não é? O rotor provavelmente foi alterado para um modelo mais novo que faz o mínimo de ruído possível.” O som dos rotores interrompia todas as vezes na conversa.

“Ainda está muito alto, Rentaro.”

“Estamos bem no alto, então, do solo, deve ser muito mais silencioso. Dentro de um helicóptero, normalmente você tem que falar muito mais alto para ouvir um ao outro."

Enju parecia que ainda não estava satisfeita com a resposta e balançou as pernas. “Por que precisamos ficar quietos?”

“Para não acordarmos os Gastrea. Existem alguns que acordam de manhã e dormem à noite como nós humanos, mas também existem os noturnos que são ativos à noite. Se fizermos muito barulho, não vamos apenas chamar a atenção dos Gastrea noturno, mas também vamos acordar os que estão dormindo agora, e vai ser problemático. Eu vou te ensinar mais tarde, mas quando chegarmos ao solo, você precisa se certificar de que se mova sem fazer nenhum barulho. Do contrário, coisas terríveis acontecerão.”

Enju murmurou: “Entendo” e ergueu os olhos para ele. "Como era o Estágio Cinco de que você estava falando no quarto do hospital? eu pensei os Gastrea só subiam para o Estágio Quatro.”

"Oh aquilo?" Deixando seus olhos olharem pela janela, ele pôde ver a cidade fantasma abaixo. De repente, ele viu uma pequena sombra na janela de uma casa residencial. Provavelmente era algum tipo de animal ou ex-humano. Interiormente, ele pensou, ela finalmente fez a pergunta, hein?

Rentaro respondeu. “Por onde devo começar...? Normalmente, os Gastrea começam com o Estágio Um e depois passa para o Estágio Dois e o Estágio Três, crescendo à medida que amadurece, com a pele ficando mais dura, certo? Nesse processo, eles retiram genes de vários animais, de modo que cada um assume uma aparência única à medida que amadurece. Por causa disso, não há uma maneira de lidar com os Gastrea.”

“Sim, eu já sei de tudo isso”, disse Enju.

"Sim, tenho certeza que sim. Você poderia dizer que o Estágio Cinco é algo fora do conhecimento geral que temos de Gastrea. Os Gastrea normais vão até o Estágio Quatro - em outras palavras, a forma completa, onde não devem mais crescer... Mas os Estágio Cinco certamente existem. Confirmamos sua existência há dez anos, quando os Gastrea apareceram repetidamente em todo o mundo ao mesmo tempo. Ninguém sabe como eles surgiram ou de onde vieram, mas de qualquer forma, eles são tão gigantescos que fazem o Estágio Quatro parecer crianças. Além disso, para não serem esmagados pelo próprio peso, seus músculos, pele, ossos e até seus órgãos foram reforçados e endurecidos. Doc disse uma vez que o vírus Gastrea é como um designer que projeta criaturas, mas esta é a ideia ao extremo”.

“Mas já que temos os Monolitos, não importa que Gastrea venha, ninguém pode entrar na área de Tóquio, certo? Não importa o quão grande eles sejam, não é?"

"Este é um bom ponto. É aí que está o problema. Resumindo, o campo magnético emitido pelo Varanium não afeta os Estágio Cinco.”

Os olhos de Enju se arregalaram. Ela foi inteligente o suficiente para ter notado imediatamente. A humanidade fez monólitos com pedaços de varânio e se escondeu como texugos no inverno, preservando essa paz delicada nos últimos dez anos. Mas havia a possibilidade de que essa paz pudesse ser destruída.

"Isso não é tudo. A coisa mais assustadora é se até mesmo uma parte de um Monólito for destruída por um Estágio Cinco. Se isso acontecer, os Estágio Um ao Estágio Quatro Gastrea virão inundando a linha quebrada como uma avalanche. Se isso acontecer...”

Enju prendeu a respiração quando Rentaro parou, perdida em suas palavras.

"O-O que vai acontecer?"

“Chamamos casos como esse de Grandes Extinções. No passado, isso aconteceu no Oriente Médio e na África, mas em uma palavra, é um inferno.”

O rosto de Enju empalideceu. Em sua cabeça, Rentaro se perguntava criticamente o que ele estava tentando fazer, assustando-a daquele jeito. Depois de pensar um pouco, Rentaro balançou a cabeça com firmeza. Ele não podia mais tratar Enju como uma criança. Ela tinha o direito de saber toda a extensão da situação perigosa que está ocorrendo agora.

“Você entende, certo, Enju? Este é o momento crítico que decidirá se a Área de Tóquio enfrentará ou não a Grande Extinção. Até eu ainda tenho dificuldade em acreditar que há uma maneira de convocar um Estágio Cinco para a Área de Tóquio, mas com o governo liderando uma operação em grande escala, provavelmente é possível. E sua origem é aquela caixa de duralumínio que foi roubada de nós. É por isso que temos que derrotar Kagetane e sua parceira e pará-los.”
“Existem muitos Estagio Cinco?” Enju perguntou.

“Foram onze que foram vistos”, disse Rentaro.

“Milagrosamente, dois foram derrotados. Geralmente, as células com o vírus Gastrea reparam e se regeneram automaticamente seus telômeros, então, teoricamente, elas não morrerão de velhice. O objetivo final das agências de segurança civil é destruir os nove Estágios Cincos restantes. Não - você poderia dizer que é o desejo de toda a humanidade."

Nesse momento, a voz do piloto disse: “Chegamos”, para Rentaro.

Rentaro estendeu a mão para Enju. "Agora, vamos, Enju. Vamos salvar a área de Tóquio.”

--------------------------
--------------------------
--------------------------
--------------------------
Tradutor: Ascherit
Revisor: Ascherit