Chrome Shelled Regios | Vol 1 - Cap 3 (Parte 3)

 


Volume 1 - Capítulo 3 (Parte 3): Treinamento


O sol se pôs no oeste. A hora do fechamento do complexo chegou e salvou Layfon do lado de Nina. Depois de lavar seu suor, ele voltou para seu dormitório......


"Layton avistado! Capturem-no!"


"Entendido, capturando-o agora."


A voz estridente de Mifi e a voz baixa de Naruki vibraram em seu corpo exausto.


Próximo......


"O quê? Huh?"


Quando ele se recompôs, ele já estava amarrado por uma corda. Quando isso aconteceu? Ele caiu no chão.


"Pegamos o alvo. Por favor, dê seu próximo pedido."


"Desfile com ele pela cidade."


"Entendido."


"Ei, pare com isso!"


"Huh ~~"


Layfon se intrometeu calmamente. Mifi inchou as bochechas.


"Uh, isso não pode ser feito. Falando nisso, como ele se ficou assim?"


"Essa é a minha técnica de captura de corda, passada por meu pai. Não é incrível?" Naruki disse.


"Brilhante. É brilhante demais. Mas por que tão repentino? Não entendo o que está acontecendo!"


"Oh, estou apenas fazendo isso. Não tenho certeza."


"Apenas fazendo isso? E o que há com a corda? Você a carrega com você o tempo todo?"


"Como alguém que deseja entrar para a força policial, é obrigatório carregar uma corda o tempo todo."


"Isso é sério?" Layfon perguntou, mas não conseguiu abalar a confiança de Naruki.


"Então, para que serve isso?" ele perguntou, olhando para Mifi e Naruki.


"Oh? Eu disse que íamos tomar chá, então esperamos aqui por você."


"Entendo... mas por que isso?"


"Apenas fazendo isso."


"Fufufu~~ Eu sabia que Layton não precisava trabalhar hoje. Não subestime a inteligência de Mifi."


"Sim, mas eu não recusei você. Antes de ter a chance de recusar, eu era assim."


"Ok ok. Pare de falar. Nós temos um convidado especial hoje."


Eles não ouviram suas palavras. Mifi empurrou uma pessoa para fora da sombra de Naruki.


Ele pensou que era Meishen.


Mas não.


"......Felli senpai?"



"Eu fui pega", disse ela sem qualquer expressão. Ela também foi amarrada por uma corda.


Eles ficaram assim por um tempo...


"Ei--!! O que vocês estavam fazendo!?" Layfon olhou em volta. Felizmente, não havia ninguém por perto além deles. Ele se perguntou há quanto tempo aquelas duas garotas estavam escondidas aqui, esperando para emboscá-los.


"Porque ~~ eu queria falar com ela desde que a vi."


"Não, estou dizendo por que você usou esse método? É um pouco extremo. Hum, é como sequestrar da perspectiva de um observador."


"...... Ela é a irmã mais nova do Presidente Estudantil."


"Quer dizer... podemos conseguir um resgate enorme, certo?" Mifi perguntou séria.


"......"


"......"


Layfon e Mifi se entreolharam...


"Polícia, há um sequestrador aqui."


"OK, vou pegá-la imediatamente."


No momento seguinte, Naruki também havia amarrado Mifi.


"Eu só queria jantar com todos!"


Depois que Mifi se rendeu, Naruki desamarrou todos. Os quatro se dirigiram para o bairro mais movimentado da cidade.


"Mei-chi tem trabalho hoje, então estamos esperando ela terminar, e podemos muito bem entrar no plano, observe o visual de trabalho de Mei-chi."


"Um plano?" Layfon disse.


Mifi riu.


"Bem, você pode imaginar a aparência dela no trabalho?"


"......Isso é um pouco difícil."


Era difícil imaginar Meishen trabalhando. Ela era tão tímida.


"Certo? Esta será a primeira vez que a vejo no trabalho. Estou realmente ansiosa para isso."


Mifi pulou no caminho de tijolos vermelhos.


"É bom que ela esteja tomando a iniciativa, mas me sinto um pouco sozinha agora", disse Naruki, encolhendo os ombros.


"...... Vocês três se conhecem há muito tempo?"


"Sim, éramos vizinhas."


"Nossos pais se conheciam há muito tempo também, desde o nascimento."


"Incrível..." Layfon mostrou honestamente sua admiração. Ele também tinha um grupo de amigos de infância do orfanato, mas nenhum deles foi para Zuellni.


"Vocês três devem ser muito próximos, vindo aqui juntas."


"Sim~ É o destino."


"Sim."


"Sim, não nos sentiremos solitários mesmo se estivermos em um lugar desconhecido. Nossos pais concordam com isso", disse Mifi, e começou uma conversa sobre o passado com Naruki. Incapaz de entrar na conversa, Layfon manteve uma distância entre elas.


Felli estava ao lado dele. Caminhando silenciosamente, ela olhou para as costas das duas garotas.


"...... Desculpe por forçar você a vir conosco."


"......Tudo bem."


Ela não tirou o olhar das costas das duas garotas.


"A corda parecia divertida."


"......Foi divertido?"


"Sim." Felli respondeu, nem mesmo movendo as sobrancelhas. Layfon não entendia o que ela estava pensando. Mas foi bom que ela não tenha ficado brava. Ele soltou um suspiro.


Felli caminhava suavemente com as mãos atrás das costas. Olhando para sua aparência infantil, ele não conseguia imaginar que ela fosse mais velha do que ele. Ela era mais velha, mas sua diferença de idade não se destacava porque ela tinha apenas um ano de diferença. Mas comparando-a com Mifi e Naruki, ela parecia ainda mais jovem do que elas.


"Uh, o senpai também está trabalhando?"


"Não."


"......Entendo."


Ele não conseguia pensar no que dizer. Até mesmo sua pergunta foi bloqueada. Ele não sabia nada sobre ela. Ao contrário de Mifi e das outras, Felli não era o tipo de pessoa que se diverte com uma conversa, desde que a atmosfera esteja certa.


"...... Apenas continue fazendo isso." Felli disse enquanto pensava no que dizer.


"Huh?"


"Eu quis dizer durante o treinamento. Continue fazendo isso."


"Por que?"


"Você não quer evitar lutar?" A pergunta honesta e direta o deixou sem palavras.


"Se você tiver um bom desempenho sem vontade de lutar, outras pessoas terão expectativas sobre você."


"......Eu suponho", ele concordou.


"É ridículo fazer o que você não quer fazer."


O que significa que Felli também não havia usado sua verdadeira habilidade no treinamento. O mesmo que ele.


Ele agora entendia por que estava tão cansado. Ele não podia escapar do lugar que queria sair. Esse sentimento consumiu muito de sua força. Ele fez movimentos desnecessários por causa da falta de concentração, o que por sua vez desperdiçou grande parte de sua força.


"Por que me sinto como se não houvesse outro caminho a percorrer?"


Ele não queria, mas precisava. Tudo o que ele podia fazer para resistir a isso era não colocar tudo em seu treinamento.


E por causa disso, ele estava cansado.


"Mesmo assim, eu tenho que resistir desse jeito. Enquanto eu estiver na Cidade da Academia, eu não posso escapar do meu irmão. A menos que ele me deixe ir, eu não tenho outra escolha."


"......Você não gosta do seu próprio irmão?"


Ele pode ter feito uma pergunta sem sentido. Ela disse que o odiava antes. Mas talvez "antipatia" e "ódio" fossem diferentes.


"Eu não gosto dele. Ele não se importa comigo."


Layfon não tinha nada a dizer. Andar ao lado dela deu a ele um desejo de encontrar algo sobre o que conversar, mas ela não se importou em terminar uma conversa abruptamente.


As duas garotas que caminhavam antes deles haviam chegado à loja. Elas acenaram de volta para eles.


"......Você é tão cruel."


"Não importa. Você está fofa."


Mifi estava calma diante do olhar de reprovação de Meishen.


Eles foram da cafeteria em que Meishen trabalhava para outra loja próxima. Aqui, os alunos do último ano tinham permissão para beber álcool. Pratos de espetos de churrasco e vegetais foram colocados diante de Layfon e seus amigos.


Naruki assentiu com seriedade enquanto colocava as varas de bambu de volta no contêiner de bambu...


"Sim, você é fofa. Você está tirando sarro de mim porque eu não posso usar isso?"


"......Claro que não."


"Sim, eu sei."


As bochechas de Meishen incharam com o tom petulante de Naruki.


Quando Layfon e as três garotas entraram na cafeteria mais cedo, Meishen ficou parada no lugar, seu rosto ficando verde. E, felizmente ou não, não havia outras garçonetes antes do intervalo além de Meishen. Layfon se sentiu mal por ela. Ela tremia como um pequeno animal ao receber o pedido, mas Mifi a provocou com alegria.


"Mas Mei-chi é realmente fofa, não é, Layton?"


"Hum?"


Ele se lembrou de seu olhar na cafeteria.


O modesto e profundo uniforme azul em si não era nada fofo, mas a Meishen escondendo o rosto atrás da bandeja era fofa.


Ele deu sua opinião honesta, e Meishen abaixou a cabeça, as bochechas vermelhas como de água fervida.


"Sim, sim, Layton. Muito bem, seu infiel~~"


"Por que?"


"É uma habilidade de alto nível elogiar a pessoa em questão junto com o uniforme."


"...... Mi-chan, Nakki, vou ficar brava."


As três meninas discutiram em seus próprios estilos. Layfon suspirou e voltou seu olhar para Felli.


Ela estava comendo em silêncio um espeto de frango de churrasco.


Ela não parecia querer falar. Ela colocou o palito de volta no recipiente de bambu e examinou o prato, pensando no que comer em seguida, como um matemático lidando com uma questão desafiadora.


(Aqui está outro animalzinho pequeno.)


Francamente, sua expressão sóbria de comer também era bonita.


Layfon mordiscou uma das pontas dos caules de vegetais fritos em massa enquanto ouvia a conversa das três garotas.


"Aah, vamos parar de provocar Mei-chi. O bolo ali estava delicioso."


"......Certo?"


"Não era muito doce. Eu entendo por que Mei-chi ama aquela loja. Bem, como vai? Eles estão te ensinando muitas coisas?"


"......Não tenho certeza. Parece que eles vão me ensinar mais tarde. Sério, eu sempre quis apenas ficar na cozinha."


"Já que você mostrou a eles seu visual fofo, é claro que eles o enviariam para servir os clientes."


"......Mi-chan!"


"Sim, sim, sim. Hum, de acordo com minha investigação, não importa em qual loja seja, priorizará os alunos que entram na cozinha se eles tiverem experiência real de cozinha."


"Isso é certo. Os alunos devem ter algum nível de habilidade."


"Mas leva pelo menos meio ano para obter as notas."


"...... Wuwu, meio ano."


"Mei-chi aguenta meio ano como garçonete?"


"...... Sem problemas. Vou roubar a receita."


"Hahaha, que declaração audaciosa."


"...... Não se preocupe comigo. E quanto a vocês duas?"


"Eu~~? Eu já decidi."


"Uma revista?"


"Sim, embora seja principalmente para escrever recados. Nakki?"


"Vou entrar para a polícia municipal. Há muitos candidatos a artes militares, então não posso baixar a guarda."


"Oh, se você entrar para a força policial, então você pode conseguir uma licença armada mais cedo?"


"Sim, mas você só pode carregar um bastão."


"Fufufu...... Mas você não está feliz? Você está realmente com ciúmes da espada de Layton~~."


"Nem um pouco. Só quero porque um bastão é o orgulho de um policial."


"Você realmente gosta disto!"


Layfon estava ouvindo os três. Mesmo aqui ele se sentia muito distante delas. Nada poderia ajudá-lo.


Porque ele estava do outro lado do vidro.


Ele podia ouvir o som, mas não conseguia entrar nele. Ele apertou os olhos para as três, incapaz de entrar naquele território alegre.


Não houve chance de falar.


A festa terminou quando se aproximava a hora de fechamento dos dormitórios.


Os dormitórios dos estudantes foram espalhados pela cidade. Depois de se separar de Naruki e das outras, já que seus dormitórios ficavam em uma direção diferente, Layfon se viu seguindo na mesma direção de Felli.


"...... Senpai está indo nessa direção também?"


"Sim, que coincidência."


Layfon acenou com a cabeça. Foi uma grande surpresa para ele.


"Senpai não entrou na conversa naquela hora... Me desculpe por ser insensível."


No final, ele mesmo passou por aquele período sem falar. Ele não conseguia falar, pois uma atmosfera especial envolvia a conversa que apenas a familiaridade permitiria.


Felli balançou a cabeça para o Layfon que se desculpava. "Nem um pouco. Eu estava feliz."


"Foi bom."


Era difícil concluir se ela estava realmente feliz, pois seu rosto não mostrava nenhuma emoção.


Eles caminharam sozinhos no caminho iluminado por postes de luz. Layfon se sentiu estranho com isso. O som de passos, geralmente pequenos e insignificantes, chegou a seus ouvidos.


"Eu não falei, não porque não estava confortavel", disse Felli de repente.


"Ah, é mesmo?"


"Eu não sabia o que dizer porque não tinha nenhum amigo antes", disse Felli enquanto passava por um poste de luz. Layfon olhou para ela, mas não conseguiu distinguir sua expressão.


Só então, faíscas caíram de seu cabelo prateado para espalhar a luz fraca. Ele arregalou os olhos.


"Senpai!"


"Oh, desculpe. Eu perdi o controle um pouco."


Ela apertou o cabelo comprido com a mão. Fosforescência verde acumulou-se em seu cabelo, emitindo uma luz opaca. Sem resposta e sem qualquer calor. Apenas um mínimo de vibração no ar que Layfon podia sentir com seu pulso esquerdo.


Isso era psicocinese. Era o tipo externo Burst Kei e o tipo interno Kei, mas ao mesmo tempo, era diferente de ambos. Era uma habilidade inata, um tipo de Kei fluindo no corpo que o treinamento nunca obteria.


Ele a observou de perto. Até suas sobrancelhas e cílios emitiam fosforescência.


O cabelo é o melhor jeito de usar o Kei da Psicocinese. Havia pessoas que transmitiam seu Kei para chicotes feitos de cabelo.


(Ela perdeu o controle disso?)


Isso foi chocante. Só isso e seu cabelo poderia emitir a luz da psicocinese nas pontas de cada fio de cabelo. Isso significava que sua habilidade de psicocinese era inconcebivelmente poderosa.


"Senpai......"


"...... Este é o motivo pelo qual meu irmão me transferiu para as Artes Militares", disse ela.


"Minha habilidade de psicocinese vai muito além do padrão normal."


"Eu também acho..."


Layfon também tinha visto o fenômeno da psicocinese de cabelos brilhantes, mas era apenas uma parte do cabelo. Ele nunca tinha visto um caso como o de Felli, cujo cabelo inteiro brilhava sem que ela percebesse.


"Por causa disso, recebi treinamento em psicocinese desde muito pequena. Todos em minha família acreditavam fortemente que eu me tornaria psicocinesista. Mesmo eu nunca duvidei disso."


"Mas..." ela acrescentou. Layfon podia sentir suas emoções trêmulas.


Ele estava certo. O tremor em seus lábios era diferente de uma conversa normal.


"Achei que o futuro de todos estava predestinado. Achei que todos sabiam o que se tornariam no futuro. Mas isso estava errado. Claro, não é possível para um criminoso saber que só pode se tornar um criminoso."


Ele não riu de suas palavras. Ela apenas disse isso sem muita emoção. Talvez isso fosse uma piada. Como não tinha certeza, Layfon decidiu não rir.


"Assim que percebi isso, tentei pensar no que faria se não fosse psicocinesista. Ninguém sabe o futuro deles, mas o meu foi determinado desde muito jovem. Tornei-me intolerante com isso e, eventualmente, deixei minha cidade natal para vir aqui. "


Seus pais deram um grande passo para trás por ela e permitiram que ela estudasse na mesma Academia de seu irmão - Zuellni.


"Meus pais achavam que não importaria muito se eu não conseguisse treinar psicocinese por seis anos. Também pensei que poderia encontrar o outro eu, o eu que não me tornaria psicocinesista."


Mas ela não foi capaz de fazer isso.


Por causa da situação atual de Zuellni e da pessoa que tentou resolver a crise - seu irmão.


"Odeio o meu irmão. Odeio o meu irmão que me obrigou a seguir o caminho da psicocinese", murmurou ela.


Layfon a ouviu em silêncio. Ele não conseguia ouvir nenhuma emoção em seu tom leve, mas sentiu que ela se sentia confinada, como se um certo ser estivesse sob pressão e chorasse de tristeza.


"E eu me odeio por apenas me tornar uma psicocinesista."


Por causa de sua habilidade excepcional, ela não poderia escapar de seu destino.


"Esse tipo de pessoa é radiante demais", ela murmurou.


Layfon só conseguiu acenar com a cabeça em concordância.


Porque ele sentia o mesmo.


--------------------
--------------------
--------------------
--------------------

Tradutor: Ascherit

Revisor: Ascherit