Black Bullet | Vol 2 - Cap 4 (Parte 2)

 



Black Bullet - Contra um atirador perfeito
Volume 02 - Capítulo 04 (Parte 02)

Rentaro pensou que havia escapado da bala de sniper de Tina para se aproximar dela, mas não foi o que aconteceu. Em vez disso, ela o atraiu deliberadamente.

Tina Sprout, uma atiradora transcendentemente perfeita.

Foi um milagre ele ter escapado da bala agora há pouco. Se outra viesse para ele-

A visão de Rentaro escureceu em desespero e ele balançou a cabeça apressadamente. Pense, Rentaro Satomi. Se você parar de pensar agora, da próxima vez, você realmente será morto! De qualquer forma, ele não poderia parar por aqui. O Bit já o havia encontrado.

Mesmo assim, se ele saísse deste prédio com a visão desobstruída e fosse para fora, seria suicídio. Depois de ser avistado pelo Bit, ele ficaria cheio de buracos.

Rentaro virou a cabeça e olhou para o átrio que chegava ao teto. Sua única opção era escalar o prédio. E intercepte todos os bits que se infiltraram antes que eles pudessem inserir suas coordenadas de localização.

Os bits eram pretos. Provavelmente eram feitos de varânio. Se ele mirasse em suas cápsulas externas duras, as balas seriam apenas repelidas e ele não as destruiria. Sua única escolha provavelmente era mirar no olho da câmera, que estava equipado com diferentes sensores. Ele havia conseguido antes, mas não tinha certeza se conseguiria controlar a precisão necessária para acertar um alvo em movimento tantas vezes. Ele não teve escolha a não ser tentar, no entanto.

Rentaro saltou de debaixo da recepção e começou a subir as escadas. Enquanto subia as escadas em curva acentuada, ele parava em todos os andares, escondendo-se enquanto procurava o melhor andar para lutar.

Do segundo ao vigésimo andar, não havia realmente nenhum lugar para se esconder. Coisas que poderiam ter sido usadas foram roubadas há muito tempo e os pisos estavam quase vazios.

Quando ele espiou no vigésimo quarto andar, ele pensou, é isso. O vigésimo quarto andar era um típico andar de escritório. Móveis difíceis de transportar foram, sem surpresa, deixados para trás pelos ladrões. Sobraram mesas de aço enferrujadas, como labirintos, fios pendurados no teto quebrado e areia que havia entrado pelas janelas quebradas acumulada a seus pés. Felizmente, porém, não faltaram lugares para se esconder.

Rentaro deu um passo em silêncio e se escondeu na cavidade de uma parede. Ele poderia ter se escondido embaixo de uma escrivaninha ou em um armário, mas decidiu que os lugares que eram fáceis de se esconder seriam os primeiros a serem revistados.

Rentaro acalmou a respiração, pressionou as costas contra a parede e sucumbiu a um fluxo interminável de introspecção.

O vigésimo quarto andar era realmente um bom lugar para se esconder? Se ele fosse para um andar superior, poderia haver uma estrutura melhor para ele se esconder. Ao escolher o vigésimo quarto andar, ele abandonou essa possibilidade, não foi?

O pequeno botão de ansiedade finalmente cresceu e ele começou a sentir que suas preocupações haviam sido fundadas. Justamente quando ele decidiu sair daquele lugar imediatamente, ouviu o som de uma máquina se movendo, baixo o suficiente para que ele nem tivesse certeza de que estava ouvindo. O Rentaro normal com certeza teria perdido.

Rentaro enfiou o rosto para fora do buraco na parede e puxou-o apressadamente para dentro.

Um Bit se infiltrou pela fresta de uma janela quebrada. Enquanto Rentaro acalmava o coração acelerado, ele espiou novamente para dentro da sala para ver o que estava acontecendo. O Bit flutuou com cuidado enquanto examinava sob a mesa e no armário. Se ele tivesse se escondido lá, teria acabado em um instante. Afinal, seus instintos não estavam errados.

Enquanto ele segurava seu XD e tentava encontrar o momento certo para pular, outro Bit veio de uma direção inesperada e cortou na frente do buraco na parede. Surpreendido pela terceira vez, escondeu o corpo dentro da parede. O outro Bit havia subido em um ataque de pinça, da escada que Rentaro havia escalado.

Os Bits pareciam sussurrar uns com os outros enquanto se comunicavam. Eles pareciam estar perguntando um ao outro,
"Que tal isso? Ele estava lá?"

Rentaro enxugou as palmas das mãos suadas nas calças e respirou fundo. Era tudo ou nada quando ele saltou e disparou continuamente.

Antes que o Bit à esquerda pudesse descobrir o que havia acontecido, seu olho de câmera foi destruído por uma bala calibre .40. No entanto, o Bit da direita foi atingido no projétil e repeliu a bala. Ele balançou ao perder o equilíbrio, mas rapidamente se endireitou e encontrou Rentaro com seu olho de câmera.

Ele nem teve tempo de se arrepender de seu erro, mas saltou para frente com todas as suas forças.

No instante seguinte, houve uma enxurrada de tiros. Rentaro fez uma careta quando uma bala quente roçou seu lado, mas ele não ia deixar escapar e agarrou o Bit, rolando no chão enquanto atirava nela.

Houve um estrondo alto quando ele o esmagou contra a parede.

Então, o Shenfield ficou em silêncio. Um silêncio que doeu em seus ouvidos voltou ao edifício dilapidado.

Ao cheirar a fumaça da pólvora, Rentaro pressionou o lado direito e se levantou. Ele sentiu uma substância terrivelmente escorregadia e, quando olhou para a palma da mão direita, havia sangue vermelho-escuro nela. Caramba. Ele teve sorte de estar vivo, mas se tivesse conseguido, teria preferido evitar receber qualquer dano que atrapalhasse seus movimentos antes de sua batalha final com Tina.

Ele injetou um pequeno frasco de morfina em seu estômago. Ele não tinha a droga de teste AGV para regenerar suas feridas desta vez, como ele tinha quando lutou contra o demônio Kagetane Hiruko. Teve um efeito colateral que transformou 20% das cobaias em Gastrea, então, quando ele disse a Sumire que havia usado tudo o que ela lhe dera, ela lhe deu uma boa repreensão. Além disso, desta vez, ele e Sumire haviam se separado com uma briga, então, de qualquer forma, ele não podia contar com a obtenção daquela droga.

Ele pensou no que deveria fazer a seguir, mas antes que percebesse, começou a subir as escadas por algum motivo. Ele se perguntou por que, mas como não tinha nenhum plano no momento, tudo o que podia fazer era confiar em seus instintos.

Quando ele chegou à porta de ferro para o telhado, ele finalmente entendeu o que estava tentando fazer. Primeiro, ele abriu a porta silenciosamente, de costas para a parede. Depois de confirmar que não havia nenhuma bala de franco-atirador sendo disparada contra ele, ele olhou para o arranha-céu bem alto à sua frente.

Não havia sinal de que ela iria atacá-lo. Ela pode ter perdido sua posição depois de perder todos os bits. Isso teria sido ótimo para ele.

Ao passar pela porta, ele foi atingido por fortes remoinhos de vento que sopravam ao redor do prédio e teve que segurar o cabelo. Ele caminhou até a cerca que ia até seus quadris para evitar cair e espiou para baixo. O chão estava vertiginosamente distante e parecia que estava abrindo a boca como o abismo de Hades. O prédio distante em que Tina estava ficava facilmente a duzentos metros de distância.

O suor frio desceu por sua bochecha. Ele realmente iria fazer isso? Foi louco. No entanto, ele estava decidido a fazer isso. Para se defender contra alguém com a classificação superalta de 98, ele teve que correr alguns riscos.

Rentaro largou o corrimão e foi para o corrimão do outro lado. Lá, ele fixou os olhos diretamente no arranha-céu e começou a correr. Ele começou devagar, em uma velocidade de caminhada. Aproximando-se lentamente da borda do prédio, ele começou a correr com força total, como se tropeçasse, e chutou o chão, voando por cima da cerca inteira. Lá, ele disparou um cartucho na perna. O cartucho disparou com um Bam! e ejetado. Imediatamente depois, o corpo de Rentaro estava voando em direção ao arranha-céu, pelo céu, tão rápido que ele não conseguia nem abrir os olhos. Ele disparou cartuchos na perna em rápida sucessão.

Tina percebeu. Ele pensou ter visto um clarão laranja de fogo de cano, e então uma bala voou em sua direção com um guincho e roçou seu lado. Este era o sniper sem o Shenfield.

No entanto, sua precisão era tão ameaçadora quanto antes.

Tina disparou seu rifle antitanque repetidamente. Pelos curtos intervalos entre os disparos, Rentaro percebeu que Tina também estava nervosa.

Cada vez que Rentaro disparava um cartucho, ele mudava ligeiramente o ângulo do propulsor em sua perna para passar pelas balas do atirador, uma após a outra.



O arranha-céu ficou maior diante de seus olhos.

Passando por mais duas balas de Tina, Rentaro disparou seu último cartucho de perna. “Goooooooooooooo!” ele gritou.

A janela de vidro se aproximou com um ímpeto aterrorizante e Rentaro sacou sua arma e atirou duas vezes contra a janela enquanto mergulhava. Com um som estridente, Rentaro quebrou o vidro e foi lançado a dez metros ao rolar no chão. Colocando ambas as mãos no chão, ele forçou seu corpo para cima. Ao fazer isso, a baba pingou no chão. Seus ouvidos zumbiam, ele estava nauseado e sentiu estranhos calafrios. Ele estava desmaiando depois de ser exposto a forças G extremas.

Mas - ele finalmente conseguiu. Ele estava provavelmente cerca de dez andares abaixo do telhado onde Tina estava naquele momento.

Rentaro pensou enquanto se levantava. Olhando para trás, ele viu o telhado em que estava ao longe. Ele ainda não conseguia acreditar que havia voado aquela distância para chegar aqui. No entanto, se ele não tivesse feito isso, ele não teria sido capaz nem mesmo de se aproximar de Tina.

Como Tina era uma sniper, ela provavelmente não gostaria de ser abordada por baixo, onde não poderia atirar. Sem dúvida, havia explosivos plásticos e minas terrestres anti-pessoas no primeiro andar do arranha-céu, e não havia dúvida de que, no minuto em que Rentaro entrasse, ele teria sido pego em uma armadilha que poderia explodi-lo em pedaços.

No entanto, Tina não poderia ter previsto que uma pessoa normal como Rentaro se aproximaria dela dessa forma.

Rentaro olhou para o teto. A segunda rodada estava prestes a começar.

Rentaro tirou quatro cartuchos de seu braço artificial e os usou para reabastecer sua perna artificial, que havia esquentado. Ele mudou o carregador de sua arma XD. Ele puxou a lanterna militar SureFire da cintura e segurou o XD na mão direita e a lanterna na esquerda. Cruzando os braços, ele subiu as escadas com as costas das mãos juntas.

Claro, não havia eletricidade, então ele não podia usar o elevador. Mesmo que houvesse eletricidade, era impensável usar algo que relatasse sua chegada ao oponente. Subindo as escadas com cautela, ele revisou o que sabia em sua cabeça.

Tina Sprout foi uma Iniciadora com o Fator Owl Gastrea. A maioria das corujas é noturna, mas uma boa visão noturna não é sua única característica distintiva. O que era para ser ainda mais temido é sua audição aguçada, que pode captar até o mais fraco som do movimento de sua presa. Era completamente natural imaginar que a audição de Tina também era muito boa. De agora em diante, ele teria que fazer o possível para não fazer barulho.

O luar brilhou no mundo branco-azulado, o ar em sua pele estava frio e tudo ficou silencioso.

Com cuidado ao pisar, Rentaro murmurou para si mesmo que era a primeira vez que lutava daquela maneira, agora que pensava nisso. Tanto Kohina Hiruko quanto Enju Aihara eram os tipos mais simples de artes marciais que não usavam muitos truques.

Comparado a eles, a pessoa que Rentaro estava enfrentando agora, Tina Sprout, era um tipo de soldado, como ele. Alguém que usava armas para contornar armadilhas e era bom no manuseio de explosivos. Este era um inimigo que faria qualquer tipo de ataque furtivo para vencer. Se ele baixasse a guarda por um segundo, seria morto.

--------------------------
--------------------------
--------------------------
--------------------------

Tradutor: Ascherit
Revisor: Ascherit