Black Bullet | Vol 2 - Cap 2 (Parte 6)

 





Black Bullet
Volume 02 - Capítulo 02 (Parte 06)

-Parte 5-

Os sons de máquinas regulares e intermitentes ecoaram pelo quarto branco do hospital.

“Nunca pensei que nosso escritório seria um alvo. Temos estado muito bem recentemente, então baixei minha guarda um pouco”, Kisara murmurou enquanto se sentava em uma cadeira reclinável, sorrindo fracamente para Rentaro. "Eu não pareço tão fofa aqui, então eu realmente não queria que você me visse em um lugar como este."

“É tarde demais para isso. Só porque te vejo assim, não me faz pensar em nada de especial.” Rentaro estava mentindo. Kisara geralmente parecia infeliz, dando ordens com seu jeito refinado e enérgico. Ele não suportava vê-la parecendo uma marionete com as cordas cortadas, esparramada com os braços e as pernas esticadas na cadeira.

Em seu braço, com as mangas arregaçadas, havia agulhas espetadas em suas veias, que estavam conectadas ao equipamento de diálise ao lado dela. Um rim artificial chamado dialisador atuou no lugar dos rins com defeito de Kisara, filtrando as toxinas de seu sangue.

Duas ou três vezes por semana, ela passava quatro ou cinco horas assim. E essa era a razão pela qual ela não podia lutar na linha de frente como oficial da civsec. Kisara sempre recusou veementemente a participação de Rentaro em seus tratamentos de diálise. Sabendo que ela provavelmente não queria que ele a visse presa ao equipamento de diálise depois de todo esse tempo, Rentaro ficou constrangido consigo mesmo por ser imprudente. Agora que ele pensava sobre isso, Kisara também fazia questão de nunca mostrar a Rentaro ou Enju quando ela tomava sua injeção de insulina após as refeições.

O sol tinha se posto quase completamente e estava escuro do lado de fora da janela. As luzes da rua emitiam uma luz duvidosa. Anteriormente, foi anunciado que as luzes se apagariam em breve.

Depois que Kisara desmaiou, Rentaro entrou em pânico, quase deixando cair seu telefone celular várias vezes antes de conseguir chamar a ambulância e trazer Kisara para cá.

"De novo, Srta. Tendo?" disse a enfermeira em uma voz não surpresa e zangada. Observando Kisara se desculpar com um sorriso irônico, Rentaro percebeu que Kisara não era muito assertiva sobre ir ao tratamento de diálise.

Uma jovem enfermeira que parecia amigável com Kisara disse: “Oh? Então é você de quem a senhorita Tendo estava falando... ”com um sorriso significativo, andando ao redor de Rentaro para olhar para ele. Ela finalmente deu meia-volta e disse: "Quando terminar, pressione o botão para chamar a enfermeira", acenando com a mão e saindo.

Atualmente, apenas Rentaro e Kisara estavam na sala com os equipamentos de diálise, e os outros três conjuntos de equipamentos para uso dos pacientes não funcionavam. Rentaro ficou sentado em silêncio assistindo
A diálise de Kisara em uma cadeira próxima. "Isso não dói?"

"Estou acostumada com isso…"

"Você deveria fazer um transplante de rim."

“Não consigo encontrar um doador tão facilmente, sabe. Além disso, se for alguém não relacionado pelo sangue, há uma grande possibilidade de que meu corpo o rejeite."

“A doutora não disse existem algo como 'IPS' agora?”

“Oh, você está falando sobre células-tronco pluripotentes induzidas, certo? A Doutora Sumire não precisa falar sobre isso. Mas vou me abster."

"Por que…?"

Kisara recostou-se na cadeira, olhou para um ponto do espaço vazio e, finalmente, estendeu a mão como se estivesse segurando algo. A enfermaria do hospital estava silenciosa e um pouco fria à noite.

“Esta dor é minha e só minha. Eu decidi que minha vida seria usada apenas para apagar os Tendos deste mundo. Se eu esquecer essa dor, tenho certeza de que também esqueceria minha vingança. É por isso que não posso.”

“Não seria certo esquecer também? Você tem Enju agora, certo? Você me tem!"

Kisara pareceu confusa por um segundo, boquiaberta, mas então ela ergueu os cantos da boca e sorriu. "Você está certo. Obrigada."

Rentaro olhou para baixo e rangeu os dentes em profundo desespero porque percebeu que, no segundo em que gritou, os verdadeiros sentimentos de Kisara, que haviam emergido um pouco, afundaram enquanto um sorriso falso flutuava em seu lugar.

Suas palavras não a alcançariam. Ele não podia impedir sua vingança. O peito de Rentaro apertou quando ele olhou para Kisara e sua beleza pálida mais uma vez.

Desenho da espada de artes marciais Tendo, terceiro estilo, número 8: Unebiko Yuusei. O que diabos foi aquela coisa que ela usou contra Tina? Até Rentaro, que estava com ela há dez anos, nunca tinha visto aquele movimento terrível antes. Provavelmente foi um ataque especial que ela aperfeiçoou ao longo de anos, a fim de obliterar a família Tendo.

Mesmo pensando nisso agora, seu terrível poder destrutivo lhe deu calafrios. Foi um movimento que cortou uma sala inteira em pedaços em um instante. Não importa quantas vezes ele fizesse uma simulação em sua cabeça, Rentaro não conseguia descobrir como ele lidaria com isso se o ataque fosse direcionado a ele.

Era esta a verdadeira força da Tendo matadora de Tendos, Kisara?

"Kisara, você não..." Você não é mais forte do que eu com meu poder liberado? Ele não podia perguntar isso, não importa o quanto tentasse. Se a resposta fosse sim, ele não sabia que tipo de cara deveria fazer.

A campainha indicando o término da diálise soou. Assim que Kisara soube que seu sangue estava purificado, ela removeu o equipamento com mãos experientes, sem apertar o botão para chamar a enfermeira.

Essas mãos pararam de repente e Kisara olhou para Rentaro hesitante. "Satomi, quando aquela garota estava me atacando... você me ouviu chamando seu nome?"

"Hmm? Você disse alguma coisa?”

Kisara parecia aliviada e balançou a cabeça gentilmente. "Tudo bem se você não ouviu." Após outro batimento cardíaco, ela olhou para Rentaro com os olhos cheios de determinação. "Satomi, só sobrou um problema que não foi resolvido. O incidente com Miori.”

Rentaro encolheu os ombros, farto. "Você não vai parar com isso?"

Bem quando eles finalmente puderam falar normalmente também...

Kisara se levantou e limpou a poeira da saia, em seguida, apontou o dedo indicador para o nariz de Rentaro. "Não. Eu odeio ter coisas ambíguas. Não vou perguntar sobre a coisa incrível que Miori fez para você, e você não precisa falar sobre isso. E-Eu provavelmente não serei capaz de manter a cabeça fria se eu ouvir sobre isso...”

Ela não fez nada! Por favor, mantenha a cabeça fria! Essas palavras ficaram presas em sua garganta.

Kisara enrolou sem pressa o cabelo preto em volta dos dedos e parecia inquieta ao recruzar as pernas. “Assistindo às ações de Miori, também aprendi algo. É verdade que o salário que eu pago é baixo—”

Sua chefe em seu uniforme escolar preto caminhou até a janela e se virou, fechando as cortinas com a mão atrás dela. Após uma ligeira hesitação, ela ergueu os olhos para Rentaro por entre os cílios. "É-É por isso, Satomi, você pode... segurar minha mão."

"Huh?" Rentaro ergueu a voz histericamente.

"Minha mão. Eu disse que deixaria você segurar minha mão!”

Rentaro fez uma pausa. "Por que sua mão?"

“O quê, você não gosta? Você sabe, deixar você segurar minha mão é muito importante."

"É...?"

Kisara se virou rapidamente para o lado, fazendo beicinho e murmurando, "Quero dizer... é... como se fôssemos a-amantes ou algo assim, você não acha?"

Rentaro ficou ainda mais desconcertado, então Kisara se preparou, endurecendo os músculos, e estendeu a mão para ele de olhos fechados. "Satomi, se apresse... Estou tão envergonhada, acho que posso morrer", ela pediu.

Um cheiro hipnotizante emanava de Kisara e Rentaro começou a respirar com mais dificuldade naturalmente. Da clavícula ao ombro e cintura, suas linhas femininas eram lindas, não importa quantas vezes ele as visse.

As palavras de Sumire passaram pelo fundo de sua mente.
"Apesar de todas as suas conversas rudes, você pode ser um cavalheiro, mas falta o desejo de conquista que lhe permitirá superar a indecisão de uma mulher e torná-la sua. Essa é a sua fraqueza, você sabe. Você notou, Rentaro?”

“K-Kisara, eu...”

“Satomi, espere, de jeito nenhum... O que você está tocando...? Essa não é minha mão, é meu peito... Espere... Satomi. Eu não estava planejando permitir que você fosse tão longe... Oh, mas eu posso ter certeza que Miori não pode vencer contra isso."

"Hmm? O tamanho, a forma, a elasticidade... Eles são totalmente perfeitos. É irritante, mas até eu devo dar a eles um triplo A-plus.”

"Huh? Irritante?" Abrindo um dos olhos levemente, Kisara viu Enju segurando seu peito com força com uma expressão séria no rosto e saltou para trás apressadamente. “E-Enju? O que você está fazendo?"

“Sou eu que quero saber! Depois que voltei ao escritório, fiquei surpreso ao encontrá-lo cheio de buracos. E então, depois que eu perguntei à polícia e eles me mostraram para onde ir, eu encontrei você aqui com seus seios para fora, tentando seduzir o Rentaro!”

“Eles não estão saindo e eu não estou tentando seduzir ninguém!”

Rentaro ficou com a boca entreaberta em seu juízo final, observando a conversa delas.

Por fim, Kisara olhou fixamente para Rentaro com os olhos úmidos, tremendo ligeiramente. “Desde que Enju os tocou, isso significa que você, seu guardião, os tocou! Com isso, você é meu, Satomi. E-Eu não vou deixar ninguém mais ter você!" Uma única lágrima escorreu pela bochecha de Kisara, e ela cerrou os dentes enquanto os soluços ameaçavam escapar, mas ela ergueu os olhos bruscamente e de alguma forma conseguiu terminar suas palavras.

Se você estava com tanto medo, não deveria ter dito que me deixaria segurar sua mão. Será que todas as garotas ricas eram indivíduos extremamente idiotas?

Enju estufou as bochechas e saltou. “Rentaro, Rentaro. Eu não tenho idéia do que aconteceu."

Rentaro se inclinou até o nível dos olhos dela e explicou rapidamente os detalhes do ataque ao escritório e como ele estava relacionado à tentativa de assassinato da Seitenshi. Ele hesitou, mas escondeu que conhecia Tina de antemão.

Depois que ela terminou de ouvir, Enju pareceu desapontada, como se ela tivesse perdido alguma coisa. “O quê, foi isso que aconteceu? Então, só temos que terminar de proteger Lady Seitenshi, certo?"

“V-você sabe o que...? É fácil para você dizer, mas— ” Não, Rentaro parou e balançou a cabeça. Agora que ele pensou sobre isso, ela estava exatamente certa. O que Rentaro tinha que pensar não era na vingança de Tina ou Kisara. Enju tinha uma maneira de pensar simples, mas nunca perdia de vista o que era importante.

"Satomi, já que aquela garota veio me apagar porque eu estava no caminho, isso significa que definitivamente haverá uma segunda tentativa." - "Sim."

“Lady Seitenshi é alguém que será necessária para a Tokyo no futuro. Eu sei que você não gosta de políticos, mas você precisa suportar isso e deixar suas opiniões pessoais de lado por enquanto.”

"Eu sei."

“Imagine, Satomi. Em nossa situação atual, com o quarto Seitenshi ainda por nascer, se Lady Seitenshi fosse assassinada, o vácuo político resultante colocaria a Área de Tóquio em confusão. O destino da Área de Tóquio está em suas mãos. Você não pode falhar.”

Naquele momento, todas as luzes da sala se apagaram e a sala ficou envolta na escuridão. Era hora de apagar as luzes.

Kisara ajustou sua postura e ajeitou o cabelo para trás com a lua atrás dela. “Eu o ordeno como presidente da Agência de Segurança Civil Tendo. Elimine o atirador que está mirando em Lady Seitenshi e faça justiça!”

Rentaro fechou os olhos, levou a mão ao peito e perguntou à sua consciência. “Eu vou impedi-la. Eu serei o único a impedi-la."

--------------------------
--------------------------
--------------------------
--------------------------

Tradutor: Ascherit
Revisor: Ascherit